A tristeza é senhora na direção de Mika Lins

Em seu último espetáculo, Memórias do Subsolo, Mika Lins encarnava o narrador do romance homônimo de Dostoievski, um homem pautado por reflexões sombrias, que defendia o direito à inércia e insurgia-se contra os "homens de ação".

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2010 | 00h00

Na peça que entra em cartaz hoje no Sesc Consolação, Dueto para Um, Mika troca de lado. Deixa o palco e estreia na direção. Mas continua a defender o que chama de direito à tristeza. "Parece que as pessoas não podem mais sofrer. Existe agora esse discurso de superação, essa apologia da felicidade", diz a atriz.

Mais conhecido dos textos do inglês Tom Kempinski, Dueto para Um detém-se sobre uma situação de perda. Vítima de esclerose múltipla, uma violinista (Bel Kowarick) se vê forçada a abandonar sua carreira no auge. A história verídica da violoncelista Jacqueline du Pré serviu de mote para a peça, que já foi montada anteriormente no Brasil e ganhou versão para o cinema estrelada por Julie Andrews.

O drama ganha forma em seis sessões de terapia entre a concertista e seu psiquiatra (Marcos Suchara). Em cada um dos encontros, médico e paciente travam um embate. Mesmo após ter perdido a capacidade de entregar-se àquilo que mais ama, ela recusa-se a reconhecer a depressão que a acomete. No front oposto, ele mina, pouco a pouco, seus sofismas, fazendo-a entrar em contato com o próprio desamparo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.