A tradição e o encanto do balé Scala de Milão

O Teatro Alla Scala de Milão tem papel essencial na história da dança e da música italianas, desde 1778. Por ele passaram mestres como Rossini, Verdi, Maria Callas, Maria Toglione, Rudolf Nureyev e coreógrafos brilhantes como George Balanchine, que criou Sonhos de Uma Noite de Verão, que será apresentada de sexta a domingo no Teatro Municipal. Depois, o balé Scala segue para o Rio, com apresentações do dia 30 de setembro a 3 de outubro. Um dos cartões de visita da companhia, Sonhos de Uma Noite de Verão, baseada na peça de William Shakespeare, foi coreografada originalmente em 1962 e será encenada pela primeira vez no Brasil. Balanchine, um dos grandes colaboradores do balé e admirador de Shakespeare, se inspirou na música de Felix Mendelssohn para criar o espetáculo. A história é ambientada em uma floresta, propriedade do duque Teseu, um lugar repleto de elfos e fadas, em uma noite de verão dois casais são enfeitiçados e passam por uma série de desencontros amorosos. Ao amanhecer, todo o encantamento passa, eles assistem a um casamento e a um espetáculo. "O Scala é a única companhia na Europa que tem os direitos para encenar integralmente a coreografia, apresentada em dois atos. No primeiro, o público poderá conferir a bela história shakespeariana e no segundo ato contemplar a beleza da técnica desenvolvida por Balanchine", diz o diretor artístico da companhia, Frédéric Olivieri. Balanchine costumava trabalhar sobre a música exatamente como um poeta trabalha sobre a métrica. A companhia estará completa, 90 bailarinos no palco mais 30 crianças que acompanharão o grupo. A parte musical ficará por conta das orquestras brasileiras, do Teatro Municipal, sob a regência de David Garforth.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.