Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A TDD

Devo dizer que inventei a TDD com meus 12 ou 13 anos, quando os super-heróis existentes não satisfaziam e era preciso criar outros

O Estado de S,Paulo, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2020 | 03h00

Um dia inventei um grupo chamado TDD, a Turma do Deixa Disso. A TDD começou modestamente, atuando em jogos de futebol e intervindo quando havia uma ameaça de briga entre jogadores, para esfriar os ânimos, mas crescera e passara a ser chamada onde havia um conflito a ser evitado no mundo. Os 11 componentes do grupo eram treinados em dissuadir brigões de qualquer espécie, usando psicologia e apelos à razão, mas também precisavam de força física para controlar os mais exaltados, quando só apartar não resolvia. Para entrar em ação usavam uma roupa justa de super-heróis, com a palavra “Calma!” bordada no peito. Depois que se tornara internacional – inclusive reconhecida pela ONU – a TDD se instalara na Suíça, onde aguardava os pedidos de intervenção, sempre pronta a ocupar seu superjato e voar para a área conflagrada em questão de minutos.

Devo dizer que inventei a TDD com meus 12 ou 13 anos, quando os super-heróis existentes não satisfaziam e era preciso criar outros, particulares. Como diria o Ferreira Gullar anos mais tarde, a arte é necessária porque a vida não basta. A TDD agiu na minha imaginação até começar a desbotar e, aos poucos, desaparecer, como toda a arte da infância. Mas lendo o noticiário destes dias, desconfiei que meus pacíficos heróis tinham voltado à atividade. O número de mortos, entre inocentes e combatentes no Oriente Médio, incluindo os passageiros daquele avião abatido por engano, é terrível, e é um terror que não para e se renova a cada estatística. Mas – escasso consolo – a verdade é que estivemos à beira de uma guerra com efeitos imprevisíveis e a guerra não veio. Ou foi adiada – ou chamaram a TDD.

A resposta ao assassinato do general Suleimani pelo drone certeiro do Trump foi menor do que se esperava, e parece que houve o cuidado de não causar muitos estragos, se você acredita que os mísseis iranianos foram aconselhados a maneirar na represália. O próprio Trump amainou a retórica guerreira dos seus tuítes. A bomba nuclear que o Irã diz que vai fazer ainda vai demorar. Haverá tempo para a TDD fazer sua pregação do entendimento e da paz na região. O avião está pronto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.