A sofisticada Courchevel

Hotéis refinados, alta gastronomia e bons vinhos fazem de Courchevel o destino de celebridades no inverno francês. Localizada nos Alpes, a estação tem dez restaurantes ao longo das pistas, entre os quais o Le Chabichou e o Bateu Ivre, ambos com duas estrelas no Guia Michelin.

, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2010 | 00h00

Tanto famosos como esquiadores preferem o topo da estação. A bem da verdade, tratam-se de cinco Courchevels, conhecidas pelos números que representam suas diferentes altitudes: 1.100 (o vilarejo de Saint Bon), 1.300 (também chamada de Le Praz), 1.550, 1.650 (ou Moriond) e 1.850. Quanto mais alto, mais refinado.

Os chamados Trois Vallés (três vales) reúnem nada menos do que 600 quilômetros esquiáveis, em 119 pistas de todos os níveis: 27 pistas verdes (para iniciantes), 44 azuis (nível intermediário), 38 vermelhas (avançado) e 10 pretas (experts). "É o maior trecho esquiável do continente", destaca Sylvio Monti, diretor da Snowtime Ski Travel, operadora especializada em neve. A boa notícia para os principiantes é que Courchevel (courchevel.com) conta com escolas e tem opções para quem está dando os primeiros passos na neve.

Quanto. Pacotes para janeiro custam a partir de 2.038 por pessoa em apartamento duplo na Snowtime Ski Travel (snowtime.com.br), com aéreo e sete noites no hotel Seizena. Na Maktour (maktour.com.br), sete noites saem desde 860 por pessoa em quarto duplo no Hotel Le Lana, sem a parte aérea. A Interpoint (www.interpoint.com.br), outra operadora tradicional do setor, oferece pacote a partir de 3.397 por pessoa, em apartamento duplo, com sete noites no hotel Le Kilimandjaro, sem aéreo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.