A simplicidade italiana no Leone

A jovem chefe Alessandra Divani vem demonstrando competência em seu gostoso restaurante Leone com uma cozinha italiana moderna, que foge da rotina, mas não cai em invencionices exageradas. Alessandra se interessa pela cozinha há muito tempo, fez curso na Itália com o mestre do modernismo Gualtiero Marchese, andou pela França para aprender a fazer doces com o pâtissier Philippe Gobet, que trabalhava com Alain Passard e hoje é diretor da escola de Lenôtre, teve aulas na Itália sobre como preparar massa fresca e como cozinhar com aceto balsâmico, um vinagre realmente especial. Em São Paulo, ela já comandou a cozinha de um pequeno restaurante, o Tuttodolce e agora abriu o Leone, que é relativamente pequeno e simpático. Ele ocupa uma antiga residência, é bem aberto para a rua, tem um barzinho com uma grande mesa comunitária na frente. Em seguida, na lateral da casa, uma fileira com umas dez mesas e ainda uma salinha com mais três. Ambientes simples, de bom gosto. Serviço competente e cordial. Os pratos demoram muito para chegar à mesa, o que pode ser interpretado como bom sinal, de que são feitos efetivamente na hora. Cozinha artesanal é assim mesmo. Muito sabiamente, para que possa controlar pessoalmente a qualidade dos pratos, Alessandra optou por um cardápio conciso, variado e atraente. Nele, 5 entradas (com preços ente R$ 12,30, carpaccio de contrafilé com saladinha mimosa e renda de parmesão e R$ 18, coroa de batata com tartar de salmão); 4 massas (entre R$ 19,80, ravióli de berinjela e mussarela com tomate fresco e tomilho e R$ 28,90, spaghetti alla siciliana, com camarão); 3 risotos (entre R$ 24, o de ervas frescas, cebolinha crocante e redução de tomate e R$ 36, o risoto czar, com salmão defumado, vodca e caviar); 5 peixes e frutos do mar (entre R$ 23,40, linguado com caldo ao alecrim e servido com arroz negro e R$ 36, lagostim com molho de chá verde, suflê de abobrinha e crocante de alho-porro e sálvia) e 5 carnes (entre R$ 27,80, perdiz com pêra ao vinho tinto e purê de batata e R$ 29,80, navarin de cordeiro com cuscuz marroquino e champignons). O couvert custa R$ 6,50, a cerveja, R$ 3,50, os refrigerantes, R$ 2,10 e as águas, R$ 2. O jantar agradou bastante, apesar de dois pequenos deslizes, pratos salgados demais. Simpático o caldo que veio com o couvert e que lembrou uma bagna caoda do Piemonte. Deliciosos os legumes mergulhados no caldo potente, feito com muito aliche. Excelente a salada morna de vieiras e shiitake (R$ 17). Os champignons e as vieiras são grelhados separadamente e servidos com um delicioso molho de aceto balsâmico com azeite extra-virgem. O spaghetti siciliano veio salgado demais, mas gostoso (R$ 28,80). Massa al dente como se espera, com um pouco de anchova (que é bastante salgada), alcaparras (também salgadas), tomate cortado em quadradinhos e camarões (no ponto certo, durinhos). Muito luxo e nem tanto sabor no risoto czar (salmão defumado, vodca e ovas de peixe, R$ 36). Arroz al dente. Muito mais gostoso o risoto escuro, feito com a tinta da lula, estritamente al dente, que acompanhou o bom linguado cozido num caldo de peixe perfumado pelo alecrim (R$ 23,40). Também salgado o lagostim com um delicioso, original molho de chá verde, suflê de abobrinha e fiapos de alho-porro frito por cima (R$ 36). Macia e saborosa a bisteca fiorentina, embora esteja bem longe da original, que costuma ser imensa e servida com o osso. No Leone, tem-se um bife de chorizo argentino, tenro, com mostarda de Cremona e molho ao lado feito com alcaparras e salsinha (R$ 29,50). A mostarda de Cremona é agridoce, feita com frutas em conserva. Alessandra é ainda uma doceira de primeira, caprichosa. É mesmo delicioso o seu Arlequim (sorvete de framboesa com pedaços da fruta, semifreddo de maçã e calda de chá verde e especiarias, R$ 8,20). Ela recomenda o "sticky toffe pudding", receita escocesa, feita com tâmaras, ameixas, calda de caramelo e sorvete de uísque (R$ 8,50). Carta de vinhos razoável, com opções a preços não exagerados e café expresso cremoso e potente.Leone - Avenida Horácio Lafer 640. Tel.:3078-6317.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.