A segunda escola vienense

Do Suplemento Literário

R. Schnorrenberg, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2010 | 00h00

6.9.1958

Publicação de ensaio do musicólogo austríaco Hans Ferdinand Redlich colocou autor de Wozzeck em destaque no caderno

Apesar da importancia da assim chamada "segunda escola vienense", que reune Schonberg, Berg e Webern, e dois livros dedicados à personalidade e obra do primeiro citado, faltou-nos, até há pouco, trabalhos completos e minuciosos que avaliassem Berg e Webern como homens e como compositores. (...) Entretanto, com "Alban Berg, o homem e sua música", de H. F. Redlich, e um estudo completo sobre Webern de cuja preparação temos noticias, parece-nos a situação em sensivel melhoria.

Hans Ferdinand Redlich, nascido em Viena em 1903, tem tido uma carreira de musicologo e regente de grande repercussão. (...) De grande diversidade de interesses, escreve com igual facilidade e conhecimento sobre Monteverdi e Alban Berg, embora quase todos seus livros tenham causados serias controversias. (...)

A organização do livro é simples: uma pequena introdução sobre a segunda escola vienense e sobre a tecnica dodecafonica, um exame bastante detalhado da obra musical, uma curta parte biografica e a serie de apendices de praxe. (...) Como na maioria das obras de Redlich o livro é desigual. Ao lado de capitulos e paragrafos de grande interesse, tem-se por vezes a impressão de um trabalho apressado e desorganizado.

(...) Os dados biograficos de Alban Berg nada têm de extraordinario. Nascido em 1885, de prospera familia burguesa, cuja atmosfera musical o estimulou rapidamente, o fator preponderante de sua evolução artistica foi seu encontro em 1904 e seus estudos subsequentes com Schoenberg até 1910. Além de adquirir a mestria tecnica necessaria a seus projetos, sua vida interior foi completamente modificada através da influencia de Schoenberg. O rapaz sensivel e sonhador transformou-se num homem e artista consciente e serio. Esta evolução psicologica, que necessitaria de um longo e profundo estudo, é tratada superficialmente por Redlich apesar de sua indiscutivel importancia. (...)

Tornou-se um pouco moda, entre os jovens musicos, depois da segunda guerra mundial, menosprezar a obra de Alban Berg, em parte por essa quase nostalgica preservação de elementos tradicionais. Essa moda felizmente está desaparecendo diante da evidencia do genio criador, do senso dramatico e da densidade excepcional de sua musica. No sentido de uma maior divulgação do compositor, o livro de Redlich vem preencher uma lacuna - enquanto se espera um trabalho definitivo sobre essa figura poetica e dramatica da musica contemporânea.

ENCICLOPÉDIA

O paulista Roberto

Schnorrenberg costumava ser chamado de músico-enciclopédia. Nascido em 1928, estudou no Mozarteum de Salzburg, foi aluno de H.J. Koellreutter e tornou-se um dos maiores representantes da dodecafonia (a estética de Berg) no País. Dono

de uma extraordinária biblioteca musical, ocupou o posto de regente da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo. Morreu em 1983.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.