João Caldas/ Divulgação
João Caldas/ Divulgação

A rua invade a casa

Ainda que se passe entre quatro paredes, peça de García Lorca traz profunda reflexão política

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2013 | 02h19

Em A Casa de Bernarda Alba, nada escapa ao domínio da mãe, que mantém as filhas encarceradas. Todas as ações se passam entre quatro paredes. O que não quer dizer que Federico García Lorca deixasse de trazer para o cerne da obra o contexto político que abalava a Espanha naquela época. "Ainda que esse drama aconteça dentro de casa, a todo o momento se sentem os efeitos da ditadura que se aproximava lá fora", observa Walderez de Barros, atriz que vive o papel título na versão que estreia sábado.

Bernarda Alba foi o último texto deixado pelo escritor, assassinado dois meses depois de concluí-lo. Não por acaso ordenaram sua prisão dizendo que se tratava de "um homem mais perigoso com a pena do que muitos o são com a espada".

Impressionante, porém, é como as inquietações com as quais o poeta impregnou sua escrita - por mais que dissessem respeito a uma realidade específica - continuem a fazer sentido. "Lorca está muito próximo da realidade brasileira se pensarmos em termos políticos", acredita Elias Andreato, diretor da montagem. "A gente conhece muito bem sobre o que ele está falando. Nossos poetas e artistas também foram mortos. Ainda sentimos os efeitos da ditadura militar."

Recentemente, outro grupo paulistano lançou-se à tarefa de revisitar Lorca. E também conseguiu amarrá-lo à história recente do Brasil. A partir do texto Mariana Pineda, a Cia. do Tijolo criou o espetáculo Cantata para Um Bastidor de Utopias.

Mártir verídica de seu país, Mariana Pineda morreu no século 19, pelas mãos do regime do rei Fernando VIII. A esse enredo, os diretores Rogério Tarifa e Rodrigo Mercadante somaram o próprio fim trágico de Lorca, cujo corpo nunca foi encontrado, e o dos desaparecidos da ditadura militar brasileira. E não pararam por aí: até as contradições das grandes cidades e suas novas formas de opressão couberam no espetáculo.

Contar uma história. Walderez de Barros está acostumada a lidar com espetáculos de conotação política. Na juventude, participou do Centro Popular de Cultura UNE. Frequentava o Teatro Estudantil do Teatro de Arena. Chegou a encenar peças dentro de fábricas, nos anos 1970, para os operários. Para a atriz, o que garante tamanha "eficácia" ao texto de Lorca em traçar paralelos com situações políticas é "sua capacidade de contar uma boa história. Ele está a narrar o que aconteceu a uma determinada família, em um vilarejo espanhol, em uma época específica. Mas, falando disso, consegue expor a opressão, os efeitos de um poder absoluto, a maneira como a burguesia sempre rejeita qualquer revolução".

O que está curso na casa de Bernarda Alba são as agruras de oito mulheres. Sete delas sedentas por liberdade. Mas todas controladas pela matriarca tirana, que detém o poder. Após a morte do marido, Bernarda fecha ainda mais o cerco sobre suas filhas e criadas. Quer impor-lhes o luto absoluto. Quando elas, na verdade, anseiam por luz e por amores.

Em sua encenação, Elias Andreato capta esse desejo de vida e o evidencia, principalmente na música - trilha original de Daniel Maia - e nos figurinos, assinados por Fause Haten. "O prazer é uma coisa libertária. Essas mulheres, ainda que não estejam na presença de nenhum homem, querem conquistar."

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.