A reserva moral ignorada pelos políticos europeus

O Porto (Le Havre), de Aki Kaurismaki, podia ser chamado de A Dignidade dos Humildes. Esse filme, belo e sensível, se desenvolve como uma fábula moral. Há o intelectual transformado em engraxate, Marcel Marx (André Wilms), que vive na cidade portuária do Havre com sua esposa estrangeira, Arletty (Kati Outinen). Vemos todo o seu pequeno entorno, formado pelo café da esquina onde fuma e toma seus tragos, o cotidiano doméstico feito de uma precariedade civilizada, os problemas com a polícia, etc. A tudo, Marcel enfrenta com a altivez de um lorde empobrecido.

Crítica: Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2012 | 03h11

Só não sabe que a sua vida estaria prestes a mudar com a chegada de um grupo de clandestinos ao Havre. Os adultos são presos, um menino escapa e Marcel passa a protegê-lo - em especial do comissário Monet (Jean-Pierre Darroussin), que se empenha em capturá-lo com a obstinação de um Javert, o policial cruel de Os Miseráveis, de Victor Hugo.

A menção não é gratuita. Há algo de agradavelmente retrô em O Porto, como se vivesse fora do tempo. Há o clima da cidade portuária, com seus bistrôs de pescadores e trabalhadores do mar. Neles fuma-se e bebe-se à vontade, como um dia já se fez. Um desses bares tem o poético nome de Au Retour de La Mer. A própria cor do filme parece de outra época, com suas tonalidades medidas e expressivas, de película de 35 mm, sutilezas tonais de pintura abandonadas no vale-tudo digital de quase toda a produção contemporânea. São poucos os objetos em cena que identificam o contemporâneo. Vê-se um solitário celular na mão de um delator (vivido pelo ícone da nouvelle vague, Jean-Pierre Léaud). Há também, no meio do filme, o magnífico show de rock feito para angariar fundos, e protagonizado por Little Bob (Roberto Piazza), um roqueiro dos velhos tempos.

Enfim, tudo parece encantadoramente antigo, com exceção do fato principal, este de gritante modernidade - a questão dos imigrantes, premente nos países mais ricos, até que a Europa entrasse em crise econômica e passasse e se preocupar com problemas criados por ela mesma, deixando um pouco de lado bodes expiatórios vindos da África. É dessa fricção entre um modo de vida, digamos, vintage, e a áspera urgência da modernidade, que O Porto tira sua força. A maneira digna com que o povo pobre se protege e resolve seus problemas parece indicar a existência subterrânea de uma reserva inestimável de valor moral. Valor, claro, não contabilizado por Nicolas Sarkozy ou Angela Merkel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.