WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO
Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A Quarta-Feira de Cinzas sem carnaval

Seria possível tornar o Carnaval, cuja origem e legitimidade é religiosa e cujo desenho remete a oposições cósmicas, num feriado normal, objetivamente histórico ou cívico, no qual se comemora algo concreto?

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2021 | 05h00

É possível ter cinzas sem ter feito fogo? Como penitenciar-se se não houve pecado porque a carne foi levada (carne-vale)? Não temos cinzas numa Quarta-feira de Cinzas...

Mas como podíamos nos esbaldar num tempo de pandemia — um tempo no qual a morte não era fantasia, mas realidade? 

A pandemia tem sido um Carnaval de lágrimas e mortes e a vacinação, que seria a sua Quaresma, foi mal planejada e sabotada. As cinzas desta singular Quarta-feira de Cinzas repetem sombras e não a sensualidade luminosa e perdoável da folia carnavalesca.

Esses dias cinzentos levam a outros tempos igualmente ansiosos. É impossível não sussurrar, com Carlinhos Lyra e Vinicius de Morais, a Marcha da Quarta-feira de Cinzas: 

Acabou o nosso carnaval.

Ninguém ouve cantar canções.

Ninguém passa mais brincando feliz,

E nos corações.

Saudades e cinzas foi o que restou...

Pelas ruas o que se vê,

É uma gente que nem se vê,

Que nem se sorri, se beija e se abraça,

E sai caminhando,

Dançando e cantando cantigas de amor...

_______

Seria possível tornar o Carnaval, cuja origem e legitimidade é religiosa e cujo desenho remete a oposições cósmicas, num feriado normal, objetivamente histórico ou cívico, no qual se comemora algo concreto? 

Tenho dúvidas, porque jamais pensei em testemunhar um adiamento do Carnaval inesperadamente misturado a uma pestilência. Se é impossível transferir o 7 de setembro, o 15 de novembro, o fim do ano — ou o aniversário de casamento que você sempre esquece — como fazer o mesmo com uma festa cósmica. Uma festa que no credo católico, inventa o próprio tempo, pois demarca o nascimento, o sacrifício e a ressurreição de Deus na sua figura humana. 

Tudo poder mudado Doutor, ouço um leitor. Sem dúvida, mas dá trabalho...

_______

Um Brasil sem carnaval seria tão impensável quanto um Purgatório sem almas. Ou um mundo pós-moderno sem turismo e sem as tais “aglomerações” (sem o “movimento”) que nos tornam humanos da espécie cosmopolita. Sapiens turísticos em constante movimento. Seres insaciáveis e alertas para a última novidade. Consumistas radicais que sabem do seu lugar de fala bem como dos seus desejos, mas não compreendem bem os seus limites — essas disciplinas das quaresmas que também fazem parte da vida. 

______

O carnaval não acabou. Ele foi adiado ou controlado — tal como a parte mais prazerosa de nossas vidas, devido a uma imprevista pandemia.

Quem jamais viu a morte não acredita que pessoas possam morrer contaminadas por um vírus invisível, silencioso e, tal como Deus, onipresente. Quem jamais suspeitou de sua onipotência, como quem nos governa e desgoverna, nada entendeu e ainda pensa que se trata de uma reles gripezinha. 

Mas tem sido esse vírus que põe a prova a nossa humanidade mostrando o que temos de pior e melhor e como essas dimensões — exatamente como o excesso e a disciplina (gozo e penitência) — estão interligadas.

______

Sem Rei Momo, fomos direto do mundo das agonias, da morte e a essas cinzas do calendário católico. Esse outro lado da moeda carnavalesca a qual se junta, com num velho sermão ou milagre, um vírus revelador de uma inesperada fragilidade e, com ela, de uma esperançosa generosidade. Num mundo que nos destina ao individualismo, a pandemia nos mostra que, além de pertencermos a nós mesmos, pertencemos também a outras pessoas. 

O “corona” nos esfrega na cara a nossa humanidade. É tão simples quanto o riso carnavalesco que passou sem ser. Somos humanos e iguais, porque somos mortais e humanos. 

A face nua e crua da morte que é o próprio real ou limite nos obriga a enxergar o todo e como esse todo é tão mal administrado pelos seus donos e proprietários. 

________

Penso que o próprio adiamento (sem brasileiramente abrir mão do feriado), é um sintoma de mudança porque o Carnaval — conforme acentuei na minha obra pouco lida em Jumentolândia — é um rito de passagem de calendário tal como, em 1909, classificou o antropólogo Arnold Van Gennep no seu clássico, Os Ritos de Passagem. Neste sentido, o deslocamento do Carnaval como uma defesa contra a pandemia tem um claro e sensato motivo sanitário, mas deixa em aberto a observância, reitero, de um tempo transcendente ou axial.

______

Minhas crônicas das Quartas-feiras de Cinzas reiteram uma velha pergunta. Afinal de contas, o que festejamos no carnaval? Essa festa sem sujeito e do riso? Neste encontro que, no Brasil, é marcado pela igualdade do anonimato? 

A pandemia, além de vidas, roubou também o Carnaval e as máscaras que nele usávamos como sinal de que ninguém precisava saber com quem estava falando...

Se há angústia nas quarentenas da doença, enorme feriado carnavalesco (talvez único no mundo) que nos leva a essa Quaresma especial. A quarenta dias sem as honrosas dívidas dos “trabalhos” ou coerções de Dom Carnal. Eis um feriado singular. Uma pausa para nada fazer depois de uma festa na qual tudo era possível, mas que não aconteceu.

É ANTROPÓLOGO SOCIAL E ESCRITOR, AUTOR DE ‘FILA E DEMOCRACIA’

Tudo o que sabemos sobre:
carnavalliteraturacarnefeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.