Arte: Batistão
Arte: Batistão

A próxima cleópatra

A atriz Angelina Jolie deve viver a personagem em adaptação para o cinema de uma nova biografia lançada este mês nos EUA

John Timpane, The Philadelphia Inquirer, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2010 | 00h00

Nós pensamos que conhecemos Cleópatra, mas será verdade? Stacy Schiff, escritora de não ficção e vencedora do prêmio Pulitzer, dedicou-se a esse tema num livro brilhante: Cleópatra - Uma Vida, inspiração para filme estrelado por Angelina Jolie que deve começar a ser rodado em 2011. "Quis retomar uma história que deformamos completamente e produzir um livro que fosse factual, mas agradável de ler, para pessoas que não são historiadoras de profissão", disse a autora em seu escritório, em Manhattan.

"Quis torná-la mais acessível e também acabar com a ideia de delicadeza na qual ela é cercada o tempo todo." Mas não se trata de um ato cruel e torpe de desacreditar tudo. A Cleópatra de Stacy Schiff é ainda mais incrível do que a dos relatos feitos até agora, maior do que o mito, mais trágica do que a tragédia.

Na verdade, ela é inteira mito. É a voluntariosa e espetacular Cleópatra de Shakespeare e Bernard Shaw. De Claudette Colbert, no filme de 1934, e depois de Elizabeth Taylor. E logo mais de Angelina Jolie. A pompa, a glória e a decadência exóticas. A difícil submissão egípcia, os braceletes de cobra, a cruz da vida pintada em torno dos olhos. Uma mulher que seduziu os homens mais poderosos do mundo - primeiro Júlio César e depois Marco Antônio - e quando surge o desastre e Marco Antônio derrotado se mata, ela o acompanha e morre por amor. Depois de Eva e Maria, Cleópatra talvez seja a mulher mais descrita em livros de todos os tempos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.