À procura de Ganja

À procura de Ganja

Grande nome da cena independente, o produtor musical Daniel Ganjaman prepara 3 lançamentos para 2011

Lucas Nobile, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2011 | 00h00

No aparador da sala da casa dele, uma foto curiosa. Um menino de 2 anos escalando uma estante, segurando-se com a boca a fim de deixar as duas mãos livres para, com elas, poder fuçar em uma vitrola. Influenciado principalmente pelo pai - um aficionado por discos, instrumentos e equipamentos sonoros, e com quem ele mantém um estúdio desde 1997 -, aquele garotinho, que hoje atende pelo nome de Daniel Ganjaman e há tempos trabalha com importantes nomes da música nacional, é um dos produtores mais requisitados do País e promete para este ano pelo menos três discos que, como ele mesmo define, "devem fazer barulho".

Sonhando com o tempo que lhe falta para trabalhar em um disco seu, autoral, Ganjaman também ataca de DJ e organiza há quase seis anos a festa Seleta Coletiva, no Studio SP, onde se apresenta hoje tocando teclado com o Instituto e convidados como Emicida e Kamau.    

Veja também:

linkA seleta do produtor

linkOuça trecho de 'Não Existe Amor em SP', do rapper Criolo

Considerando-se muito mais produtor do que instrumentista, na praia do rock, ele se debruça atualmente quase que o dia inteiro para terminar de mixar Alegria Compartilhada, o próximo CD da banda carioca ForFun. Na seara do rap, em abril sai o disco de Criolo (também conhecido como Criolo Doido e que, assim como Emicida e Kamau, despontou nas rinhas de MC"s esmerilhando seus concorrentes com rimas de improviso pulverizantes), produzido em parceria com o baixista Marcelo Cabral, e cujas faixas Grajauex e Subirusdoistiozin já foram apresentadas na internet.

Além disso, ainda em 2011, sem data de lançamento, deve sair um disco póstumo de Sabotage, também produzido por Ganjaman. Em 2003, o rapper convidou o produtor para trabalhar em um álbum de inéditas. Exatamente uma semana depois, Sabotage foi assassinado. Passados alguns anos, Ganjaman trabalhou em cima das músicas e coletou mais material gravado pelo compositor, resultando em 14 faixas. "Nós, do Instituto, estamos trabalhando com os principais parceiros dele e com alguns familiares pra que esse disco seja uma representação digna de todo legado que ele deixou. Não temos data prevista para o lançamento. Já adiamos uns três ou quatro anos e estamos fazendo todo esforço para que este ano seja realmente lançado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.