A política em traços finos e precisos

A política em traços finos e precisos

O francês Jean Plantu, do Le Monde, está no País e participa hoje de debate

João Paulo Charleaux, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2010 | 00h00

O desenhista francês Jean Plantu, responsável há 38 anos pelas charges da primeira página do jornal Le Monde, de Paris, desembarca esta semana no Brasil para uma série de exposições que passam por Brasília e pelo Rio de Janeiro, além de São Paulo, único destino em que estará acompanhado dos brasileiros Angeli, Chico Caruso e Cássio Loredano.

A pouco menos de um mês das eleições presidenciais, com denúncias de corrupção pipocando pela mídia, Plantu e o time de cartunistas brasileiros escolheram como tema da mostra a política. O assunto é recorrente em quase todos os trabalhos do desenhista do Monde.

Plantu tem a característica de economizar nos diálogos e quadros, enfatizando com traços finos, fluidos e precisos o papel frequentemente contraditório e exagerado que os políticos desempenham. "Os políticos estão sempre no primeiro plano da cena e são desafiados a se expressar num tempo muito curto sobre os assuntos mais graves do mundo, sob uma tremenda pressão midiática. Isso faz com que eles caiam com frequência em situações caricaturáveis", disse Plantu ao Estado.

Em tempos de tablets, e-mails e hiperconectividade, o cartunista francês ainda faz questão de desenhar com lápis, caneta e papel sulfite, viajando pelo mundo para encontrar-se cara a cara com os leitores. Além do Brasil, ele já levou seus trabalhos para lugares tão improváveis quanto o Sudão, palco de um dos maiores e mais recentes massacres de civis no centro da África, e o Sri Lanka, onde até há poucos meses o governo lutava para aniquilar um dos grupos guerrilheiros mais antigos ainda em atividade no mundo. "Viajo sempre em busca do aprendizado, na esperança de conhecer esses países e suas culturas", afirmou. No Brasil, o cartunista já expôs seus trabalhos cinco vezes, desde 1986.

Outras linguagens. Mas a ideia de enquadrar e expor cartoons nem sempre é sedutora para os autores. "Meu lugar é na página do jornal, no colo do leitor. Faço os desenhos para serem vistos a uma distância de 30 centímetros dos olhos. Eu não sei o que é estar pendurado na parede. Ainda não me acostumei com isso", confessa o cartunista Loredano, do Estado. "Já a conversa, o bate-papo com as pessoas, acho legal. Mesmo ficando gago depois que ligam o microfone, sinto que posso trocar ideias com quem vê os desenhos. É sempre uma boa oportunidade."

Além da mostra, Plantu participará de dois debates com o público em São Paulo, acompanhado dos colegas brasileiros. O primeiro deles ocorre hoje, no Teatro Anchieta do Sesc Consolação, e o segundo no domingo, na Fundação Bienal. Loredano participa apenas do primeiro.

SERVIÇO

Dia 24 de setembro, 17h30, debate no Sesc Consolação, com a participação de Caruso, Angeli e Loredano

De 24 de setembro a 30 de novembro, exposição no Sesc Consolação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.