A poética do cotidiano

Sob o tema Desobjetos: A Memória das Coisas, o segmento de artes visuais da Mostra Sesc de Artes 2012 é predominado por instalações criadas por artistas nacionais e estrangeiros - entre eles, Nuno Ramos, Elida Tessler, Laura Belém, Flamínio Jallageas, a polonesa Agata Olek e a francesa Tania Mourad, ocupando áreas internas e externas das unidades do Sesc. O mote, inspirado em poesia de Manoel de Barros, é simples e incorpora, assim, os mais diversos tipos de obras - poéticas, políticas, críticas, todas elas realizadas a partir das coisas banais do cotidiano.

CAMILA MOLINA, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2012 | 03h08

O baiano Marepe (Marcos Reis Peixoto), por exemplo, é um dos criadores mais ligados a esse conceito de poética do cotidiano. O universo popular e, em especial, de sua terra baiana - muitas vezes relacionado à apropriação de objetos que podemos encontrar em feiras de ambulantes -, seria a marca de sua pesquisa. No Sesc Itaquera, Marepe exibe obras criadas em diversos períodos, desde o início dos anos 2000 - portanto, a maioria já exibida em outras mostras - como Filipinhos (2010), feita com pás unidas, e Você Tem Fome de Quê? (2008) com baldes de metal empilhados. Na mesma unidade do Sesc Itaquera, Nino Cais, que participará da 30.ª Bienal de São Paulo, a partir de setembro, apresenta a instalação Armadilha Para Não Pegar Os Pássaros, com desenhos, fotografias e objetos. Delicadeza e ironia permeiam suas criações, exigindo o olhar intimista.

Já no caso de Picada, trabalho inédito de Geórgia Kyriakakis criado para a área de convivência do Sesc Pompeia, são as mesas que se tornam objeto de mote. Sempre interessada na questão da fragilidade do equilíbrio ou prumo, a artista faz uma "paisagem" com montes de terra sobre mesas de madeira. Elas formam um conjunto, brincam com os níveis do olhar. O mesmo poderia ser dito sobre a instalação Escadas, que Carmela Gross já vinha exibindo no átrio do Sesc Belenzinho. Como diz o título da obra, escadas iluminadas, de diversas alturas, estão amparadas em uma das áreas do local, criando um jogo conceitual e de ritmo. E cadeiras são enterradas no chão de concreto da praça do Sesc Vila Mariana pelo mexicano Ivan Puig.

Outro destaque é a exposição com os "objetos sedutores" - e perigosos - de Nazareth Pacheco - como seu belo vestido de lâminas -, reunidos no Sesc Santo Amaro. A programação da Mostra Sesc ainda apresenta segmentos de arte e mídia, performance e videoarte, este último, representado pela exibição coletiva Imagem-Contato, com curadoria de Kika Nicolela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.