A pitoresca viagem de Nino Cais

Artista se apropria de obras antigas do francês Debret em sua exposição

Camila Molina, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2011 | 00h00

As fantasias podem ser doces ou amargas, diz o artista Nino Cais, e fantasiosas para ele são, também, as imagens que o pintor francês Jean-Baptiste Debret (1768-1848) criou no século 19, no Brasil, retratando não só a paisagem e a nobreza locais, como também os índios e escravos.

Meses atrás, ao encontrar um exemplar do livro A Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil, com as obras do francês, Nino começou a se apropriar das imagens de Debret para criar uma série de obras. E são elas - e um pouco mais - que o artista apresenta em sua mostra Pitoresca Viagem Pitoresca, a ser inaugurada amanhã na Galeria Oscar Cruz.

Debret não foi uma descoberta para Nino, mas é que o artista, "devorador de imagens", viu nas obras históricas a oportunidade de explorar e fazer uma espécie de fusão dos temas retratados pelo francês com seu próprio repertório contemporâneo.

Em sua trajetória, Nino vem criando, por meio de fotos, desenhos, colagens e instalações, histórias de intimidade ou, como define Fernanda Lopes no texto para a mostra, "vem construindo um mundo para si". Por exemplo, uma de suas operações tem sido a de autorretratar-se camuflando o rosto com o uso de ramos de flores, toalhas de renda e outros objetos domésticos. "Camuflo a expressão do rosto e da boca, quero a imagem como um todo", diz. E assim ele também fez com as imagens de Debret em seu "elogio" ao francês, reforçando as questões que o estrangeiro viu no Brasil - inevitavelmente, sociais - como ainda ampliando e colocando novos significados.

Em colagens Nino camufla ou extirpa os rostos de negros, índios e brancos, ação que mistura delicadeza e densidade. Interessante, ainda, que brutalidade e delicadeza se costuram tão bem nas cadeiras de madeira que ele transformou ao colocar em seus pés pás ou foices, criando uma imagem de impacto e fantasia. A mostra de Nino ainda se completa com fotografias, como as alegóricas em que ele está metade homem, metade animal.

NINO CAIS

Galeria Oscar Cruz. R. Clodomiro Amazonas, 526, 3167-0833.

11 h/ 19 h (sáb., 11 h/ 17 h; fecha 2ª e dom.). Grátis. Até 25/6.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.