A peça em que até o teatro é atração

Sonho de Uma Noite de Outono, comédia escrita por Jandira Martini que estréia neste sábado, pode ser vista quase como um pacote turístico que engloba diversão, viagem ao tempo e uma descoberta arquitetônica. A peça, que tem sua ação localizada em uma noite de novembro de 1935, foi escrita a partir de pesquisas de diversos textos da época, e será encenada no Auditório Celso Garcia, uma construção de 1909 elegantemente encravada entre a Praça da Sé e o Páteo do Colégio, na Rua Roberto Simonsen, ao lado do metrô Sé. Tombado pelo Patrimônio Histórico, o prédio, sede da Associação Auxiliadora das Classes Laboriosas, preserva as grades, os vitrais e as colunas originais - o que por si só constitui um espetáculo paralelo àquele que será mostrado no palco. O auditório da Associação Auxiliadora foi palco, até 1935, de uma efervescente produção cultural e também de manifestações trabalhistas antes do surgimento dos sindicatos no País. A atriz Eliana Rocha, que divide a direção de Sonho de Uma Noite de Outono, com Jandira Martini, realizou uma detalhada pesquisa sobre os textos teatrais encenados naquele espaço nas primeiras décadas do século passado, como Primeiro de Maio, de Pietro Gori. Este é o texto que serve de coluna vertebral para Sonho de Uma Noite de Outono. A comédia tem início quando, momentos antes do início de uma apresentação teatral de um grupo de atores-operários, um italiano levanta-se da platéia, sobe ao palco e se apresenta como o autor mais representado naquele espaço desde o início do século. O elenco traz os nomes de Francarlos Reis, Noemi Gerbelli, Silvia Handroo, José Scavazini, Paulo Herculano. Vicente Tuttoilmondo e Simone Boer. Serviço: "Sonho de Uma Noite de Outono", estréia amanhã no Auditório Celso Garcia, Rua Roberto Simonsen, 22, ao lado do metrô Sé, tel.: 3242-3800. Temporada a partir do dia cinco, às quartas, quintas e sextas, às 18h30. Grátis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.