A noite sem-fim

Quando os Stones cruzaram com o mestre Muddy Waters, não ficou pedra sobre pedra

MARCELO MOREIRA, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2012 | 03h09

De todos os bluesmen históricos norte-americanos, Muddy Waters era o menos rancoroso em relação ao sucesso que os roqueiros brancos dos dois lados do Atlântico conseguiram desde os anos 60. Gente como Sonny Boy Williamson II e Howlin' Wolf, por exemplo, nunca perdia a oportunidade de menosprezar os "branquelos usurpadores" do som dos negros - e que ficaram milionários. O primeiro frequentemente destratava as estrelas inglesas que lhe faziam suporte em turnês pela Inglaterra. Wolf repetia o mesmo comportamento quando visitava Londres e gravava com os pupilos famosos que babavam ao verem a então lenda viva.

Waters tinha ressentimento, mas engolia seco e seguia em frente. E não se conteve quando recebeu meio de última hora alguns dos Rolling Stones em um show em um clube de Chicago, em novembro de 1981.

Ficaram famosos na década de 80 vídeos não oficiais que mostram um já milionário Mick Jagger babando, com cara de fã encantado, cantando ao lado do ídolo durante a execução de Champagne and Reefer, tendo ao fundo Keith Richards na guitarra, humilde e intimidado. Muddy Waters toma conta do palco de maneira soberba e incontestável, mostrando quem é que mandava naquele pedaço.

Os registros só existiam em CDs e fitas de vídeo VHS piratas. Esse tesouro acaba de ser lançado oficialmente. A Eagle Rock Entertainment lançou em julho e a ST2 traz para o mercado nacional o CD e DVD Muddy Waters & The Rolling Stones Live at the Checkerboard Lounge Chicago 1981.

O material traz o registro completo da apresentação de Muddy Waters naquele dia de novembro de 1981. Os Stones estavam em turnê pelos Estados Unidos e aproveitaram uma noite livre em Chicago para conferir a lenda de perto no clube que pertencia a Buddy Guy, chamado The Checkerboard Lounge.

Na ânsia de se "vingar" dos usurpadores, Waters chamou ao palco Mick Jagger, Ron Wood, Keith Richards e Ian Stewart (pianista de apoio da banda britânica e um dos membros fundadores dos Stones). O bluesman deu uma aula de feeling e comandou o espetáculo de forma simples, mas estupenda, com ajuda de Buddy Guy e do ótimo gaitista Junior Wells em boa parte do show. Quando Jagger cantava, Muddy Waters ora demonstrava certo enfado, ora olhava o "branquelo" de forma zombeteira.

A recuperação das imagens e do áudio foi um trabalho extraordinário do produtor e engenheiro de som Bob Clearmountain. Além do encontro de gigantes - mestre e discípulos -, o vídeo também é histórico por outro motivo: menos de um ano depois, Waters faria seu último show, em outubro de 1982, na Flórida, com a banda de Eric Clapton. Seis meses depois, morreria em casa vitimado por um ataque cardíaco enquanto dormia. Mas ele teve a sua vingança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.