A Nina de Dahlia e o cult de Sturges

O Cachorro Bombeiro

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2010 | 00h00

15H40 NA GLOBO

(Firehouse Dog). EUA, Canadá, 2006. Direção de Todd Holland, com Josh Hutcherson, Bruce Greenwood, Dash Mihok, Steven Culp, Bill Nunn,

Cachorro metido a astro chega ao final da carreira. Depois que uma proeza aérea da qual participa dá errado, o herói canino vai parar numa pequena cidade, onde é adotado por garoto que é filho do chefe de bombeiros. Adivinhe se Rex, o cão, não vai ter direito a uma segunda chance, descobrindo valores como amizade e solidariedade. O tom é de comédia, o cão é simpático e o menino Josh Hutcherson mais ainda. Reprise, colorido, 111 min.

Os Quatro da Ave Maria

22H NA REDE BRASIL

(I Quattro Dell''Ave Maria). Itália, 1968. Direção de Giuseppe Colizzi, com Terence Hill, Bud Spencer, Eli Wallach, Brock Peters, Kevin McCarthy, Tiffany Hoyveld, Federico Boido.

Terence Hill e Bud Spencer ficaram famosos da série Trinity, de spaguetti westerns cômicos. Aqui, a dupla ganha uma fortuna do dirigente de um banco, mas é armação, pois ele logo contrata um pistoleiro de maus bofes - Eli Wallach, o "Mau" de Três Homens em Conflito (de Sérgio Leone) para recuperar o dinheiro. Uma curiosidade, justamente neste dias que precedem o festival de faroestes macarrônicos que vai tentar provar que o gênero não se reduz a Leone. Reprise, colorido, 120 min.

O Vidente

22H05 NA GLOBO

(Next). EUA, 2007. Direção de Lee Tamahori, com Nicolas Cage, Julianne Moore, Jessica Biel, Thomas Kretschmann, Tory Kittles, Jose Zuniga.

Existia O Vidente, série de TV adaptada de Stephen King (The Dead Zone) e há agora esse outro vidente, interpretado por Nicolas Cage e baseado em livro de Philip K. (Blade Runner) Dick. O herói é um mágico de Las Vegas que tem o dom de antecipar o que vai ocorrer daqui a pouco. Com isso, tem sucesso em seus truques de mágica e nas roletas dos cassinos. Mas a agente Julianne Moore vai lhe propor um desafio - ajudá-la a impedir um ataque terrorista na cidade. Julianne tem talento demais, Cage anda em baixa como herói de ação. O filme foi um grande fracasso de público e crítica, mas se você acha que vale arriscar, vá fundo. Reprise, colorido, 89 min

Nina

1H55 NA GLOBO

Brasil, 2004. Direção de Heitor Dhalia, com Guta Stresser, Myriam Muniz, Wagner Moura, Selton Mello, Lázaro Ramos, Matheus Nachtergaele.

O longa de estreia de Heitor Dhalia - após o curta Conceição - é muito bom, narrando, em tons sombrios, e por meio de um visual elaborado, a história de garota sensitiva. Nina morra numa pensão cuja dona a atormenta, pois ela tem dificuldades para pagar o aluguel. Dhalia baseou-se - livremente - em Crime e Castigo, de Dostoievski, trabalhando com uma estética de mangá. Embora tenha problemas (o desfecho), o filme é muito interessante e Myrian Muniz está esplêndida como a irascível dona Eulália. Dhalia fez depois O Cheiro do Ralo, com Selton Mello, que é melhor ainda. Tropeçou com À Deriva, mas 2 a 1 - 3 a 1, considerando-se o curta - são um bom escore para um autor que ainda está se testando (ou evoluindo). Reprise, colorido, 85 min.

Amanhã

A Globo exibe amanhã, no Intercine, o preferido do público entre - Os Primeiros 20 Milhões, de Mick Jackson, com Adam Garcia como inventor jovem, vítima de uma piada dos colegas, e que se reapruma na vida quando Rosario Dawson lhe devolve a inspiração e o apetite sexual (EUA, 2002, fone 0800-70-9011); e Mergulho no Escuro, de Harry Winer, com Michelle Trachtenberg como garota que sempre teve o sonho de morar num castelo na França e agora precisa enfrentar forças sombrias que pairam sobre o tal castelo, no qual, finalmente, chegou (EUA, 2005, fone 0800-70-9012).

TV Paga

Sete Homens e Um Destino

19h35 no Telecine Cult

(The Magnificent Seven). EUA, 1960. Direção de John Sturges, com Yul Brynner, Eli Wallach, Steve McQueen, James Coburn, Horst Buccholz, Charles Bronson, Robert Vaughn, Brad Dexter, Rosenda Monteros.

Agora que vai ocorrer uma grande mostra de spaguetti westerns em São Paulo, nada mais oportuno do que (re)ver o western que John Sturges adaptou de Os Sete Samurais, transpondo a ação do clássico de Akira Kurosawa para o Velho Oeste. Na verdade, foi Sturges quem abriu a vertente que levou ao faroeste macarrônico, construindo as espetaculares cenas de ação de seu clássico - cavalgadas, tiroteios etc - por meio da trilha de Elmer Bernstein. Sergio Leone repetiu Kurosawa (Yojimbo) em Por Um Punhado de Dólares e também recorreu à música (Ennio Morricone, mas, como bom italiano, flertou com a ópera). Sete Homens mostra camponeses que contratam mercenários para defendê-los dos bandidos que estão pilhando suas lavouras. Sturges transforma o mercenário em herói e numa bela cena reflete sobre a diferença entre o agricultor e o pistoleiro por meio da metáfora do vento sobre a terra. O sucesso foi tão grande que o filme virou série, mas as equipes foram mudando (e piorando). Reprise, colorido, 128 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.