A moda do cangaço

Livro revela o gosto apurado dos bandoleiros na vestimenta e nos instrumentos para a caatinga

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2010 | 00h00

Rendidos. Cangaceiros do grupo de Pancada, no momento em que se renderam à polícia, em 1938:  vestimenta segue a tradição brasileira de insurgência            

 

 

 

 

O cangaceiro era, antes de tudo, um orgulhoso - se os bandoleiros tradicionais vestiam trajes de cores escuras e se escondiam da polícia, homens como Lampião e Corisco, que impuseram sua vontade acima da lei no sertão nordestino no início do século 20, esmeravam no traje, com anéis e medalhas, lenços coloridos, bornais repletos de bordaduras, chapéus de couro enfeitados com estrelas e moedas. Uma estética rica, peculiar e original, que conferia uma blindagem mística ao cangaceiro, satisfeito com a beleza e ainda seguro em meio a uma suposta inviolabilidade.

Foi depois de analisar todos os detalhes da vestimenta no sertão que o historiador Frederico Pernambucano de Mello sentiu-se apto a escrever Estrelas de Couro - A Estética do Cangaço, minucioso estudo que detalha a importância de cada peça do vestuário. Chamado por Gilberto Freyre de "mestre de mestres em assuntos de cangaço", Pernambucano de Mello empreendeu o estudo a partir de 1997, baseando-se no acervo não apenas de diversas instituições como também em sua coleção particular, que conta com cerca de 160 objetos. Com isso, produziu a primeira história íntima sobre o maior fenômeno de insurgência popular do Brasil.

"O cangaceiro era um guerreiro extraviado no tempo, com sentimentos de honra e lealdade fora dos padrões normais, às vezes somente compreendidas no seio do seu próprio grupo", observa Ariano Suassuna, no prefácio. De fato, a origem do cangaço está em questões sociais e fundiárias do Nordeste, caracterizando-se por ações violentas de grupos ou indivíduos isolados: assaltavam fazendas, sequestravam coronéis (grandes fazendeiros) e saqueavam comboios e armazéns. Não tinham moradia fixa: viviam perambulando pelo sertão, praticando seus crimes, fugindo e se escondendo.

A origem, segundo Pernambucano de Mello, remonta ao período colonial, mais especificamente à crença brasileira do "viver sem lei nem rei e ser feliz". Ou seja, uma forma de blindagem contra os valores da colonização europeia. "São criminosos na epiderme e irredentos no mais fundo da carne, carregando por séculos, a ferro e a fogo, o mito primordial brasileiro de uma vida absoluta", descreve o pesquisador. "Por tudo isso, não é de se estranhar que o cangaço tenha sido uma forma de vida criminal orgulhosa, ostensiva, escancarada. Até mesmo carnavalesca, como no caso do traje, de muito apuro e muitas cores. Ou no da música, o xaxado, sincopado como um tiroteio."

Nesse momento, o historiador começa, em seu livro, a decifrar os códigos do cangaço. Como o uso do signo-do-salomão, estrela com meia dúzia de pontas que figurava nos chapéus conferindo poder, proteção e devolução das ofensas ao pretenso ofensor. A subsistência era a meta primordial do cangaceiro. Assim, diante das dificuldades impostas pelo clima árido, o cantil para água fresca era peça fundamental, o que explica o cuidado com a capa de tecido resistente, ornado com um ponto de bordado em policromia, sinal "do amor que dedicavam os donos a uma água difícil".

Na luva, de acordo com o pesquisador, chegou-se a ter requinte. Como estrutura, não diferia da utilizada pelos vaqueiros - a novidade estava no suporte (com várias camadas de brim) e na ornamentação, com um fino bordado. Já as alpercatas, assim como o chapéu de couro, além dos enfeites, traziam um detalhe fundamental para quem vivia em constante movimento: correias que os uniam ao tornozelo (caso do calçado) e no queixo. Apesar do ambiente rústico em que viviam, os cangaceiros preocupavam-se com sua estética, a ponto de Pernambucano de Mello lembrar que a virilidade não se sentia ameaçada quando os cabeludos do bando, que não eram poucos, prendiam os cabelos com marrafas, espécie de pente típico da toucadora feminina.

Havia, portanto, um exemplar cuidado estético. "O traje do cangaceiro é um dos exemplos demonstrativos do comportamento arcaico brasileiro", observa o também pesquisador Clarival Valladares, citado no livro. "Ao invés de procurar camuflagem para a proteção do combatente, é adornado de espelhos, moedas, metais, botões e recortes multicores, tornando-se alvo de fácil visibilidade até no escuro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.