A maior metáfora do mundo

Faz 100 anos que o "Titanic" foi ao fundo e o aniversário do naufrágio está tendo quase tanta cobertura quanto o próprio naufrágio. Há exposições sobre o navio e seu fim em várias cidades da Europa e discute-se outra vez desde as minúcias do desastre, como a desatenção do comando do navio aos vários alertas de icebergs na rota, até seu significado maior. Um jornal satírico americano fez uma edição inteira lembrando o acidente e seus intérpretes cuja manchete principal era "Maior metáfora do mundo bate em iceberg e afunda". Que o trágico fim da maior coisa construída pelo homem até então era uma metáfora ninguém discutia. Mas qual, exatamente, a metáfora?

Verissimo, O Estado de S.Paulo

31 Maio 2012 | 03h17

O naufrágio do "Titanic" marcava o fim tardio do século 19 e sua confiança ilimitada no progresso tecnológico. Como um castigo a mais pela pretensão do século que findava, dali a dois anos toda a nova engenhosidade da era estaria engajada nas máquinas de morte da Grande Guerra e a tragédia precursora do "Titanic" simbolizaria um adeus à inocência. Chamado de indestrutível, o "Titanic" desafiara os deuses, como os titãs do mito, e, como os titãs, fora destruído pelos deuses - metaforicamente. Outra metáfora: nada simboliza a divisão de classes como a divisão das classes num navio como o "Titanic!", onde os viajantes do porão, inclusive as crianças, tiveram poucas chances de escapar com vida. O "Titanic" também era o mundo do privilégio ostensivo e da massa descartável metaforizado.

Cherbourg, na Normandia, tem uma razão especial para lembrar o "Titanic". Seu porto foi uma das duas escalas feitas pelo navio depois de deixar Southampton. Estivemos há dias na simpática Cherbourg - que também foi um porto importantíssimo durante a Segunda Guerra Mundial e é a terra dos guarda-chuvas filmada por Jacques Demy, com música de Michel Legrand. Fomos visitar sua exposição dedicada ao "Titanic". Excelente. No rádio do carro, não, não Michel Legrand, mas, juro, Ai Se Eu Te Pego. Simbolizando, pensando bem, nada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.