Imagem Leandro Karnal
Colunista
Leandro Karnal
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A luta pelas almas

O cérebro humano continua mais complexo do que religiosos, políticos e professores imaginam

Leandro Karnal, O Estado de S. Paulo

27 Janeiro 2019 | 02h00

A educação das crianças e jovens é fundamental. Há duas maneiras de pensar a frase anterior. A primeira é um pouco mais abstrata e altruísta: nosso dever de formar valores, transmitir conceitos adequados e preparar nossos filhos e alunos para a vida. Essa é a parte que ninguém duvida ou questiona. Nenhum governo, nenhum político, nenhum pai ou escola suspeita da afirmativa. Todavia, existe um segundo sentido. Educar é colaborar para formar uma atitude original, fornecer filtros que interpretarão dados, construir posturas e marcar, quase sempre de forma indelével, uma visão de mundo (Weltanschauung). O segundo sentido não contradiz o primeiro, apenas reforça o conteúdo estratégico e político de toda educação. Controlar escolas, currículos e jovens é, em última análise, controlar o futuro. Toda educação é um projeto de poder. 

As religiões entenderam muito cedo o papel fundamental das escolas para a sua sobrevivência. A partir do mundo moderno, ordens católicas fizeram da sala de aula seu foco principal. Antes restrita a mosteiros e universidades medievais, a educação teve de ser ampliada como parte de uma estratégia para vencer a Reforma Protestante. Os jesuítas, surgidos no século 16, fizeram dos colégios uma ponta de lança fundamental para formar um novo homem católico da Contrarreforma. Só para pegar um exemplo, o colégio jesuíta Luís, o Grande (Paris) formou o poeta Baudelaire, o enciclopedista Diderot, o literato Marquês de Sade, os filósofos Sartre e Derrida, pintores como Degas e Delacroix, políticos como Robespierre e Turgot e matemáticos como Évariste Galois. A lista poderia até depor contra a eficácia da adequação dos alunos ao modelo da Ratio Studiorum, diretriz fundamental dos modelos pedagógicos da Companhia de Jesus. Fenômeno francês? Do colégio São Luís, em São Paulo, emergiram figuras distintas como Ayrton Senna, Paulo Maluf e meus amigos Maria Fernanda Cândido e Clóvis de Barros Filho. Em resumo, nem todos os egressos dos modelos de Santo Inácio de Loyola viraram católicos militantes, mas são biografias de relevo. Eu próprio me orgulho muito da minha formação jesuítica. 

A Contrarreforma também é feminina. Hoje, 27 de janeiro, é dia de Ângela de Mérici (1474-1540), fundadora das ursulinas. O carisma italiano da santa acabou florescendo muito em terras francesas e no Brasil. Igualmente, fizeram sucesso diversas ordens femininas na Terra de Santa Cruz, como os colégios das Cônegas de Santo Agostinho, inclusive o afamado colégio paulistano Des Oiseaux, que teve entre tantas alunas a falecida antropóloga Ruth Cardoso. 

O mundo reformado também deu imensa importância à educação. Escolas confessionais luteranas (e de outras vertentes) enfatizavam a alfabetização para ler as Escrituras. Onde abundaram calvinistas e luteranos, diminui o analfabetismo médio. 

Em grande parte, a disputa por almas do mundo moderno foi um incentivador das escolas para o público em geral. Não bastava aprimorar a formação de padres e pastores, urgia moldar meninos e meninas para garantir a continuidade das instituições. 

As ditaduras de esquerda e de direita entenderam, igualmente, a necessidade de tornar a escola uma arma de moldagem do futuro. O Estado Totalitário começava nas cartilhas. Os conteúdos da área de humanas foram, desde sempre, os mais afetados. Ditadores sempre pareceram muito mais interessados em História, Antropologia, Sociologia e Filosofia do que em Geometria ou Química. Comento com os futuros professores que, caso eles tenham dúvidas sobre o valor e utilidade da História, observem a ação de ditadores, pois eles parecem acreditar mais no potencial da nossa área do que as democracias. 

Em resumo, jovens nas salas de aula são a matéria-prima desejada para moldar as novas estátuas coerentes com os projetos religiosos e políticos. O problema? Pessoas não são argila moldável ao gosto do escultor. A educação influencia, porém não determina. A cada geração, os projetos variados surgem e morrem com seus anelos de mudar as cabeças dos alunos. O cérebro humano continua mais complexo do que religiosos, políticos e professores imaginam. 

Sim, há a tal da contradição do mundo: foi em uma aula de Educação Moral e Cívica que eu, pela primeira vez, ouvi uma crítica ao governo militar brasileiro, justamente na disciplina que deveria formar o jovem cidadão da ordem pós-1964. Foi estudando teologia bíblica que comecei a abandonar minha fé. Foi em bancos de doutos e esforçados jesuítas que o jovem Voltaire decidiu dedicar a vida ao combate à Igreja Católica. A tal da “natureza humana”, que Machado de Assis diz ser contrária a regras (veja o conto A Igreja do Diabo), parece brotar dos mais sólidos projetos educacionais. Uma lição de humildade para nós professores e para o Ministério da Educação: o projeto educativo pode ser nosso, o anseio de poder e controle pode nos tomar; porém, o resultado tem de dialogar com o imponderável dos alunos. As almas e os corpos continuarão rebeldes. Felizmente. Bom domingo para todos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.