Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A locomotiva de Ricardo

Dei aulas no Middlebury College, em Vermont, Estados Unidos, e aproveitei a oportunidade para visitar Dick Moneygrand que, como o escritor Saul Bellow, ali reside numa propriedade cercada de plátanos.

Roberto DaMatta, O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2015 | 02h00

Fomos recebido pelo velho amigo e sua mais recente esposa, a bela Claire Maranda, uma canadense francesa aparentada ao meu ex-colega harvardiano Pierre Maranda. Foi de Claire que recebi a triste notícia da morte do amigo, ocorrida no dia 5 de julho. Notícia a ser sublimada por uma grave dose de uísque com a bênção de tio Silvio. Para ele, beber moderadamente era essencial na travessia deste vale de lágrimas. 

– E o Brasil? Foi logo dizendo Moneygrand. O que vocês fizeram dele? 

– Triste... Respondi duplamente alvejado pela morte e pela visão distanciada do meu país incapacitado pelo populismo e pelos conchavos movidos a incontroláveis ambições. 

– Desequilíbrio em todos os setores supostamente racionais e pouco afeitos ao exercício da análise cultural. Fácil falar em remédios financeiros e fórmulas legais, pois, conforme sabemos – continuou Moneygrand –, a última barreira, o derradeiro inimigo, é sempre a cultura: o conjunto das opiniões e de modos de agir que comandam os nossos corações. Ganhamos a guerra contra a escravidão, disse, mas o credo igualitário até hoje tenta controlar a competição pelos mais diversos racismos. Suprima-se uma barreira e outra logo surge, conforme dizia Lévi-Strauss. 

– É impressionante como não temos a mais ínfima noção de conflito de interesse. E como ainda tentamos regular o conflito advindo da junção de igualdade e liberdade – acelerado pelas redes sociais que garantem um extraordinário anonimato e uma irresponsável agressão a quem quer que seja – por meio do “Você sabe com quem está falando?”: pelos elos pessoais, abandonando leis e instituições. É chocante como usamos óbvias manifestações de interesses ideológicos na tentativa de justificar atos lamentáveis. No Brasil, a “política” legitima o ilegítimo, daí a indignação relativa aos seus engravatados e gorduchos atores. O redesenho da esfera política passa pela consciência de direitos e deveres de todos para com todos. Liberdade + igualdade são incompatíveis com o favor, com o aparelhamento do estado, com a ignorância, com a má-fé e com as liturgias dos cargos que exprimem um viés hierárquico. Sem reflexão e cabedal, caímos nessa lamentável tentativa de infantilização do povo brasileiro.

– O velho ranço aristocrático do Brasil passou para as esquerdas no poder – disse Moneygrand. E, hoje, o terrorismo intelectual tenta equacionar a indignação diante das épicas roubalheiras com “ódio” e “retrocesso”. Retrocesso seria não ficar indignado ao ver o Brasil ser mortalmente abatido pelo governo de um partido cuja bandeira era levá-lo, com ética, à justiça social. 

– Me dá mais um uísque, Dick! Pedi para ser confortado no fosso da minha depressão. 

Falamos dessas coisas desagradáveis e inevitáveis e, do fundo da minha memória, surgiu – como ocorre com os velhos – uma cristalina lembrança. 

*

A memória do dia em que Ricardo, meu quarto irmão, ganhou uma locomotiva de presente de aniversário. O dom que o distinguiu, até hoje atravessa a minha vida pela inveja intensa que despertou em nossa irmandade feita de Fernando, Romero e Renato. A nossa irmã caçula, Ana Maria, por conta de severa e preconceituosa demarcação entre o masculino e o feminino, foi poupada. 

Quando Ricardo começou a brincar e vimos a locomotiva em todo o seu esplendor de símbolo, jorrava dos nossos corações uma inveja, uma inveja absolutamente pura. Como a que só surge quando um sentimento possui uma pessoa, englobando-a. Pois, como sabemos, tornar-se um adulto é um duro aprendizado de conter e disfarçar tais emoções. 

Diante daquela locomotiva, nossos olhos fraternais se cruzaram e, numa inveja bíblica, quebramos com o martelo de papai o brinquedo. Apanhamos uma surra, mas ela não liquidou a inveja. Tal como a democracia não acaba com o nosso gosto de opinar, estigmatizar, caluniar e roubar o bem comum. 

Na peça de publicidade do PT, vi um excelente ator, José de Abreu, fazendo um pobre papel. A crise do Brasil real tem como centro um grandioso papel (o de presidente da República) massacrado por uma péssima atriz. Há teatro na política, mas política não é teatro. O que não vale é acabar também com a peça, com o teatro e com os espectadores que pagaram caro o ingresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.