Imagem Leandro Karnal
Colunista
Leandro Karnal
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A liberdade das árvores

Nossa resistência será na liberdade das espécies vegetais. Viva a democracia botânica das cidades brasileiras!

Leandro Karnal, O Estado de S. Paulo

24 de fevereiro de 2019 | 02h00

Georges-Eugéne Haussmann está no Instagram de quem vai a Paris? Duvida? Em algum momento, desponta a icônica Avenida dos Champs-Elysées. A sensação de ordem, simetria, monumentalidade e caráter teatral de tudo é fruto de um esforço do Barão de Haussmann e do seu chefe, Napoleão III. Árvores simétricas, distâncias regulares, tampas de bueiro unificadas e, supremo requinte, em alguns lugares até as fachadas foram adaptadas a um modelo padronizado. Os merovíngios tornaram Paris sua capital. Luís XIV e Napoleão I criaram monumentos e cúpulas. Foi Haussmann que fez Paris saltar para o Instagram. Depois vieram suplementos estéticos como a Torre Eiffel, a ponte Alexandre III (inserções republicanas) e até engastes contemporâneos (como o arco de La Défense ou as pirâmides do Louvre), porém a assinatura autoral do quadro da cidade luz é do conspícuo barão. 

Paris foi, no Segundo Império (1852-1870), um dos grandes experimentos urbanos do mundo contemporâneo. Cidades planejadas a partir do nada existiram antes (Fatehpur Sikri na Índia mongol) e continuarão depois (nossa Brasília), mas a intervenção em Paris foi realizada no coração de uma cidade viva, histórica, orgânica e, em que pese o resultado admirável, apresentou custos econômico e humano elevados. 

Esta não é uma coluna sobre as etapas da reurbanização da capital francesa. O tema é vasto. Eu tento pensar algo muito comezinho: por que ficamos felizes, impressionados, tendentes a muitas fotos nas ruas de Paris? Creio que a regularidade matemática remete à ordem, acostuma o olhar, cria uma zona de conforto no nosso cérebro e chamamos isso de beleza. Uma casa pode estar limpa ou suja e isso não envolve o conceito de bagunçada ou ordenada. A limpeza atinge o nariz; a ordem estimula o olhar. O flâneur, a personagem ambulante e testemunha da cidade que o poeta Baudelaire registrava, fica exercitando o olhar. Somos, turistas e congêneres, flâneurs de uma concepção do século 19, um misto de cenografia e de higiene social repressiva. 

Feita a introdução gaulesa, penso na cidade em que moro, São Paulo. Há um aspecto que iguala a capital a muitas cidades do Brasil: a liberdade de árvores, vasos, calçamentos, etc. Cada proprietário é um novo Adão a renomear a frente do seu Éden. Comecemos pelas árvores. A City, a companhia de planejamento que interferiu em tantos pontos da capital paulista, usou muito a tipuana (Tipuana Tipu), árvore bonita e de rápido crescimento, ideal para dois grupos: planejadores apressados e cupins. Ambos amam a árvore que cai às dúzias por aqui a cada vendaval. As velhas tipuanas foram tombando e novos bairros surgindo. Substituindo aquelas e semeando novas, qualquer rua é um tratado internacional de dendrologia, a parte da botânica dedicada às árvores. No singelo quarteirão que ocupo na Pauliceia, há resedás, manacá-da-serra, pata-de-vaca, fícus, um alfeneiro, uma embaúba e kaizukas (os belos pinheiros retorcidos do Extremo Oriente). Se incluir áreas do jardim dos prédios, surgem ipês, um pau-brasil, guapuruvu e outras que, malgrado meu imenso interesse, não reconheço. As árvores estão sobre calçadas que também mudam o pavimento a cada número. O urbanismo se reinicia com o novo IPTU e, retirando as bravas e perigosas tipuanas altaneiras, será difícil ter indivíduos da mesma espécie vegetal em seguida. 

Seríamos a miscelânea da liberdade ou da anarquia? Aceitamos terríveis ditaduras e imensas humilhações legais, todavia resistimos com a liberdade de nossas árvores. Poderíamos dizer que partilhamos, ao menos, um Liberalismo botânico... Sim, lancem impostos terríveis e criem regras ridículas e oscilantes sobre kits de primeiros socorros para automóveis. Acatamos! Nossa resistência será na liberdade das espécies vegetais! Viva a democracia botânica das cidades brasileiras! Viva as calçadas infinitas! Serão a La Rochelle da nossa consciência cívica. Declaração Fundamental dos direitos do cidadão agricultor-urbano: todas as árvores são iguais perante a lei, porém o gosto do proprietário é absoluto. 

Saindo de miniflorestas urbanas com variedade infinita de espécies, olhamos para os frondosos plátanos dos Champs-Elysées. Enfileirados, distâncias regulares, podados, erguendo-se sobre grades unificadas e com prédios quase todos da mesma altura. Sergio Buarque de Holanda (Visão do Paraíso) disse que os portugueses criavam modelos urbanos a partir do arquétipo do semeador, plantando prédios de forma aleatória. Os espanhóis, pelo contrário, utilizariam o modelo do ladrilhador: ordem geométrica ao redor de uma grande praça central. 

Pare e observe sua cidade. Perceba a variedade vegetal e de calçamento. Reflita se é um sinal cultural importante que cada vizinho ignore tudo que está ao lado e à frente, e, como um novo Prometeu, recrie o fogo criador só para seu pedaço de universo. O que nossas árvores e nosso planejamento urbano indicam sobre nós? Por que nossa liberdade morre na árvore? Bom domingo para todos nós. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.