A jovem Liz Taylor, no TCM

Férias em Alto Astral

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2010 | 00h00

14H15 NO SBT

(Camp Nowhere). EUA, 1994. Direção de Jonathan Prince, com Christopher Lloyd, Jonathan Jackson, Wendy Makkena, Tom Wilson.

Jonathan Jackson faz garoto que descobre a chatice do acampamento de férias para o qual está sendo enviado. Com a ajuda de amigos, ele vai tentar evitar que isso ocorra, criando problemas para o instrutor interpretado por Christopher Lloyd, o cientista "Doc" da série De Volta para o Futuro. As comédias sobre campos de férias se constituem numa tendência específica do cinema de Hollywood. Em geral, são medíocres - esta, pelo menos, é. Reprise, colorido, 96 min.

A Nova Onda do Imperador

16 H NA GLOBO

(The Emperor"s New Groove). EUA, 2000. Direção de Mark Dindal.

Imperador inca com ego gigantesco é vítima da maldição de assessor inescrupuloso (que também é feiticeiro) e vira lhama. Isso não o impede de planejar sua vingança. Animação da Disney que tem muitos momentos divertidos, e personagens simpáticos, mas não chegou a fazer história. Falta algo. A trilha inclui duas canções de Sting. Reprise, colorido, 100 min.

A Colheita do Mal

22H15 NO SBT

(The Reaping). EUA, 2007. Direção de Stephen Hopkins, com Hilary Swank, David Morrissey, Annasophia Robb.

Duas vezes vencedora do Oscar - por Meninos não Choram e Menina de Ouro -, Hilary Swank não foi muito bem-sucedida neste projeto "comercial" sobre missionária desiludida com a religião e chega a pequena cidade que parece estar sendo assolada pelas sete pragas bíblicas. O que ela vai tentar fazer é justamente desautorizar a crença das pessoas na ira de um Deus vingativo. Acredite - Hilary está tão inexpressiva que você vai querer "cassar" seus dois prêmios da Academia de Hollywood. Reprise, colorido, 110 min.

Intercine

2 H NA GLOBO

A emissora exibe o preferido do público entre Uma Noite com Sabrina Love, de Alejandro Agresti, com Cecilia Roth, Tomas Fonzi, Fabian Vena, sobre adolescente que vence concurso para passar uma noite com famosa estrela pornô; e Águas Profundas, de Jeff Bleckner, com Jay Mohr, Lisa Edelstein e Ann Cusack, sobre escritor que se muda para pequena cidade e se envolve em estranhas ocorrências que o levam a desconfiar da calmaria que parece caracterizar o local; há algo de sinistro ocorrendo por ali.

Amanhã

A Globo exibe amanhã, no Intercine, o preferido do público entre Dragão - A História de Bruce Lee, de Rob Cohen, sobre o lendário astro de artes marciais, morto em circunstâncias misteriosas no auge da carreira; Jason Scott Lee, filho do ator/lutador, iniciou aqui carreira promissora que foi logo interrompida pela morte, gerando todo tipo de indagação sobre o significado desses dois desaparecimentos tão brutais (EUA, 1993, fone 0800-70-9011); e O Alfaiate do Panamá, de John Boorman, com Pierce Brosnan, Geoffrey Rush e Jamie Lee Curtis, baseado no livro de espionagem de John Le Carré sobre agente inglês que tenta usar o personagem título como fonte de informação durante o auge da crise da devolução do canal aos panamenhos; dá tudo errado, como se o diretor e o escritor estivessem transformando o mundo dos espiões numa ópera-bufa (EUA, Irlanda, 2001, fone 0800-70-9012).

TV Paga

Luz Silenciosa

22 H NO TELECINE CULT

(Stellert Licht). México, 2007. Direção de Carlos Reygadas, com Cornelio Wall Fehr, Miriam Toews.

O mexicano Reygadas dialoga com o clássico A Palavra, inclusive reproduzindo a cena-chave da ressurreição do clássico dinamarquês de Carl Theodor Dreyer. É a história de homem que integra comunidade que nega o progresso. Quando se envolve com outra mulher, passa a negar os preceitos religiosos e a desejar a morte da própria mulher. Grande filme misterioso, com fotografia que transforma em imagem a luz do título. Reprise, colorido, 108 min.

Gata em Teto de Zinco Quente

23H55 NO TCM

(Cat on a Hot Tin Roof). EUA, 1958. Direção de Richard Brooks, com Elizaberth Taylor, Paul Newman, Burl Ives, Jack Carson, Judith Anderson, Madeleine Sherwood.

Adaptação da peça de Tennessee Williams sobre patriarca sulista que está morrendo e a família se lança com voracidade sobre seu espólio, menos o filho dileto, Paul Newman. Ele está tendo problemas com a mulher, e Elizabeth Taylor, como Maggie the Cat, é tudo que uma heroína do dramaturgo deve ser. Suas cenas de cama, com roupas "íntimas", fizeram sensação na época. O tempo passou, mas o filme, com todo o seu romantismo, continua sensacional. O elenco, mais que perfeito, ajuda, claro. Reprise, colorido, 108 min.

Quase Dois Irmãos

2H05 NO CANAL BRASIL

Brasil, 2004. Direção de Lúcia Murat, com Caio Ciocler, Flávio Bauraqui, Werner Schünnemann, Maria Flor.

Amigos de infância, dois homens se reencontram na cadeia, um como guerrilheiro, o outro, como criminoso comum, durante os anos de chumbo da ditadura militar. A diretora Lúcia Murat, ela própria ex-guerrilheira, reflete sobre os efeitos dessa "contaminação". A violência da criminalidade urbana tem o pé na guerrilha? Filme importante, e forte, com momentos de grande intensidade. Reprise, colorido, 102 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.