"A Inveja" leva Mozart ao palco

Uma nota publicada na "GazetaMercantil" de Leipzig, Alemanha, em 1830, cinco anos depois damorte do compositor italiano Antonio Salieri, deu certaconcretude à hipótese que atribui ao amigo de Amadeus WolfangMozart (1756-1791) não só o pecado da inveja, o queprovavelmente foi verdadeiro, como o transformou em assassino dogênio austríaco, o que deve ser falso. A nota, no entanto,inspirou o escritor e dramaturgo Aleksandr Puchkin, que na mesmaépoca escreveu a peça de câmara Mozart e Salieri - A Inveja,instigadora da obra para cinema de Milos Forman, Amadeus. NoBrasil, a versão de Puchkin ganha montagem do diretor e produtorAfonnso Drumond, com as atrizes Bel Kutner, Ana Prado e a músicaJosefina Cerqueira. A peça faz temporada no Centro CulturalBanco do Brasil (CCBB), em São Paulo. "Tomei muitas liberdades com a montagem, como ofereceros papéis masculinos a duas atrizes", ressalta Drumond, umapaixonado pela vida e obra de Mozart. Para ele, o espírito damontagem tem muito mais a ver com o temperamento do compositorgenial, um desregrado em vida, do que o de seu amigo (e rival)Salieri cuja vida era espartanamente regida pela regra e asobrigações rígidas com a música. Drumond lembra, porém, que apeça realça uma espécie de libelo salieriano, ao abrir grandeespaço à argumentação do "assassino". "Em parte, o texto dePuchkin dá a palavra a Salieri, que faz uma defesa racional docrime; ele explica que motivos a inveja incita nos homens aponto de levar uma pessoa a matar outra", diz o diretor, que jádirigiu as peças Woyzeck, de Georg Büchner, e À Flor daPele, de Consuelo de Castro, entre outras. Sob a égide do estranhamento, o encontro entre os doismúsicos toca nos temas da amizade, da criação, do sucesso e damorte. O fim trágico do compositor de Don Giovanni e AsBodas de Fígaro, na história de Puchkin envenenado pelo amigo,também põe termo ao espetáculo. O prelúdio de Mozart e Salieri éuma intervenção do próprio diretor, que com o auxílio dadramaturgista Eloí Calage inseriu trechos das cartas de Mozartaos familiares. As atrizes representam sobre um estrado redondode madeira que se inclina em direção à platéia. A cenografia éassinada por J.C. Serroni e os figurinos, assinados em parceriacom Telumi Helen. A música de Mozart e Salieri é um evento à parte. Nopequeno teatro do CCBB, a diretora musical Claudia Cimblerisoptou por colocar instrumentos que serão executados ao vivo porJosefina Cerqueira, como a inusitada glass harmônica (marimbacom teclado de vidro) e instrumentos percussivos. Também éutilizada música gravada, com trechos da Fúnebre Maçônica,de Amadeus Mozart. "Minhas pesquisas sobre a obra de Mozarttiveram por fim encontrar algo diferente. Por isso, a FúnebreMaçônica, que Mozart (maçônico) escreveu no final da vida."Aleksandr Puchkin foi um dos maiores escritores russos do século19, considerado como fundador da literatura moderna russa comobras como "O Prisioneiro do Cáucaso" (1821) e "A Filha doCapitão" (1836). Bel Kutner e Ana Prado, filha da poetisa Adélia Prado,se conheceram nesse trabalho e, segundo elas, "se derammuitíssimo bem", tanto no palco, trabalhando juntas, como comseus personagens. "Eu sempre quis fazer um papel masculino",confessa Bel, que interpreta Mozart. Ela optou por compor umMozart bastante próximo às biografias, mas reforçando o viés dotexto de Puchkin, que pede "um cara alegre e muito emotivo". "Parece que nós, mulheres, explicitamos mais a inveja,a usamos como desejo de conquista e isso é favorável para comporo personagem de Salieri", sublinha Ana Prado. "Ele realmentenão tinha a mesma vocação para a música", atesta a atriz, queconfessa não levar também o mesmo jeito para a poesia. "Se euquisesse seguir a carreira de minha mãe, teria entrado numaroubada", brinca. Há os que dirão que a Salieri faltou o bomexemplo. Serviço - Mozart e Salieri - A Inveja. De AleksandrPuchkin. Direção Afonnso Drumond. Duração: 50 minutos. De quintaa domingo, às 18h30. R$ 15,00. Centro Cultural Banco do Brasil.Rua Álvares Penteado, 112, tel. (11) 3113-3651. Até 4/8. Nesta quinta somente para convidados e sexta para público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.