A hora e vez do público jovem

De olho nele, Muita Calma Nessa Hora traz uma seleção de novos talentos da comédia

Flavia Guerra, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2010 | 00h00

De passagem por São Paulo, como jurado da Mostra de Cinema, o diretor inglês Alan Parker, responsável por clássicos pop como Commitments - Loucos Pela Fama e Pink Floyd - The Wall, comentou que não dirigia mais longas-metragens porque o cinemão de Hollywood hoje em dia só quer saber de filmes para adolescentes. E que esses não eram os tipos de filme que ele queria fazer. "Isso não significa que filmes para jovens não sejam importantes. Representam uma parcela imensa do mercado mundial. São jovens que vão mais ao cinema. Filme para esse público pode ser inteligente, sim."

Diante da observação de Parker é impossível não pensar na grande fatia de mercado que o cinema brasileiro deixou de conquistar por muitos anos ao não focar esse tal "público jovem". Com raras exceções, é de fato difícil citar boas produções para esse espectador tão assíduo. "Todo mundo gosta de comédia. E jovens, mais ainda. Acho também que devemos fazer mais filmes para o jovem. É um público que vai muito ao cinema e que muitas vezes os diretores brasileiros se esquecem", comentou o jovem Felipe Joffily, diretor da mais nova "comédia jovem" nacional: Muita Calma Nessa Hora.

Foi pensando nisso que os produtores Augusto Cazé e Rik Nogueira decidiram produzir o filme. "Tinha vontade de fazer algo para o público jovem, que unisse a parte artística e técnica. Há uma carência do público jovem por filmes que sejam divertidos, bacanas e que tenham qualidade. Tínhamos muita vontade de fazer um longa-metragem para esse espectador. E esse filme é Muita Calma", comentou Cazé.

A propósito, sobre o que é Muita Calma? É sobre três amigas lindas e jovens que decidem passar um fim de semana na praia. E o que de errado poderia acontecer? A julgar pelo roteiro deliciosamente no sense de Bruno Mazzeo, pode acontecer de tudo. De um encontro com uma neo-hippie que tem uma samambaia de estimação a cenas de humor escrachado, passando por momentos de comédia romântica. Tem tudo isso e um pouco mais na viagem de Mari, Tita e Aninha. Mari (Gianne Albertoni) é uma publicitária que, apesar de um futuro promissor, tem de enfrentar no presente um chefe que a assedia. Tita (Andréia Horta, de Alice) flagra seu noivo com outra às vésperas do casamento. Aninha (Fernanda Souza) é uma indecisa crônica e já mudou de faculdade sete vezes.

E é no meio dessa crise que as três decidem passar o tal fim de semana na casa de praia, em Búzios, em que Tita iria viver sua lua de mel. No caminho, elas dão carona a Estrella (Debora Lam), a hippie que pretende encontrar o pai que nunca conheceu.

Leve e divertido. Só a premissa de Muita Calma já avisa que a ordem é um filme leve, divertido e descontraído, perfeito para o verão. E o que há de mal nisso? Nada. Aliás, de bom há que o elenco do longa é um capítulo à parte. Se em comédia o timing é importante, um elenco que segure esse tempo é crucial. Por isso, Casé e Nogueira não pouparam esforços para reunir uma espécie de seleção brasileira do riso. Só para citar, Muita Calma conta com Louise Cardoso e Laura Cardoso, Luis Miranda, Lucio Mauro Filho, Marcelo Adnet, Sérgio Mallandro, Heloisa Périssé, Leandro Hassum, Nelson Freitas. "Desde os mais jovens até os veteranos, todos os atores tinham um respeito tão grande pelo cinema que pude relaxar e, o que mais importa, dirigi-los com alegria. Sempre brinco que o set é um lugar sagrado, mas não muito. Era esse tom que precisávamos. De respeito, mas também de humor. E acho que conseguimos", comenta Joffily.

MUITA CALMA NESSA HORA

Direção: Fernando Joffily. Gênero: Comédia

(Brasil/2009, 102 minutos). Censura: 14 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.