A hora e a vez dos russos nos palcos do Brasil

Ano passado, cinco espetáculos brasileiros participaram do 6.º Festival Internacional de Teatro Tchekhov, em Moscou, na chamada Estação Brasil, uma realização da Funarte em parceria com a direção do festival. Até então, somente uma montagem brasileira fora vista em solo russo, em 1998 - O Livro de Jó, do Teatro da Vertigem. Antônio Nóbrega, o grupo Caixa de Imagens, o Teatro Oficina, a carioca Cia. dos Atores (Ensaio. Hamlet) e Gabriel Villela (Fausto) foram os escolhidos para a Estação Brasil.Novos parceiros se uniram à Funarte e ao festival russo para dar continuidade a esse importante intercâmbio. Nesta terça-feira, às 11 horas, no Sesc Vila Mariana, será anunciada a programação da Estação de Teatro Russo no Brasil. Estarão presentes Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo; Antônio Grassi, presidente da Funarte; Pedro Ganga, secretário de Cultura de São José do Rio Preto, e Maria Malkina, vice-presidente do Festival Internacional de Teatro Anton Tchekhov.Graças às novas parcerias, cinco montagens russas serão apresentadas em quatro cidades, entre os dias 21 de julho e 9 de outubro. São ainda parceiros o Cena Contemporânea de Brasília e o Riocenacontemporânea.O inglês, agora atuando em Moscou, Declan Donellan já esteve no Brasil com sua companhia Cheek By Jowl. Apaixonado pelo teatro russo, Antonio Araújo, diretor do Teatro da Vertigem, viu Sonho de Uma Noite de Verão, Medida por Medida entre outras criações desse diretor. "Eu diria que o Declan Donellan conseguiu injetar sangue novo nas montagens de Shakespeare. Havia uma direção de ator de primeira, de uma limpeza quase formalista, estilização acentuada", observa. Donellan mostra no Brasil duas montagens: Noite de Reis, de Shakespeare, e Boris Godunov, de Alexander Púchkin.Antonio Araújo entusiasma-se ao saber que K.I. Crime e Castigo, texto baseado no romance de Dostoievski e dirigido por Kama Guinkas, está na programação. "Um grande espetáculo de um grande diretor. Vi em 1997, em Moscou, e lembro quase inteira. Ele retira da história a personagem Katierina Ivanóvna e faz uma leitura bem pessoal. Imperdível!" Na programação ainda: O Capote, de Gogol, na encenação de Valéri Fokin e Proprietários à Moda Antiga, também baseado em Gogol, de Mindaugas Karbauskis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.