Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A hora do herói

A questão que ficou para sabermos antes de decidirmos é quando a desesperança nos dará mais opções

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2019 | 05h47

Uma semana antes do dia da última eleição presidencial, foi publicado na imprensa um estranho documento. Sem nenhuma razão aparente ou deduzível, o então juiz Sergio Moro liberou um trecho do depoimento que fazia à Justiça o ex-ministro do Lula, Antonio Palocci. O documento não continha nenhuma delação nova que justificasse sua liberação extemporânea, ou causasse mais estragos ao PT do que o bombardeio do Palocci já tinha causado. 

A publicação do trecho escolhido pelo Moro e a aproximação da data da eleição podem ter sido coincidência, sim. Ou:

Foi distração do Moro, que só se deu conta da coincidência quando começou a ouvir os foguetes da vitória do Bolsonaro.

Foi distração do Moro. Ou você acredita que foram as novas revelações do Palocci, requentadas pelo Moro, que deram a vitória ao

Bolsonaro? Reajuste seu discernimento.

Foi distração de todo o mundo. Combinada.

Foi combinada. O Mourão ofereceu o ministério da Justiça ao Moro, que pediu tempo para pensar e em seguida tirou do bolso uma lista de exigências, começando por St. Pelegrino na geladeira.

No fim, a questão que ficou para sabermos antes de decidirmos é quando a desesperança nos dará mais opções. Quando será chegada a hora do herói, e ele não seja outro engano como o Bolsonaro. Não se sabe até onde sobreviverá o Moro como opção numa crise que começa a se autodevorar. Ou ele já perdeu a condição de exceção que tinha, pelo menos até ontem? 

Sério, agora. Quem foi que disse “triste é o país que precisa de heróis”? Bertolt Brecht, se não me falha o Google. “Heróis”, no nosso caso, seriam pessoas medianamente honestas que elegessem pessoas medianamente capazes de dirigir um país medianamente possível, é pedir muito? Moro representou não uma esperança grandiloquente mas essa possibilidade meio desconsolada. O problema com o Moro é que o país precisava de um mocinho de cinema e ele tem cara de bom moço. 

Tudo o que sabemos sobre:
Sérgio Moro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.