A guerra dos botões Google copia ''curtir'' do Facebook

O início de 2011 tem sido tenso para o Google. Nada que abale sua moral - atualmente. Mas uma série de acontecimentos mexeram com o site mais conhecido do mundo e não há dúvidas sobre o motivo dessas mudanças - chama-se Facebook. A rede social de Mark Zuckerberg não é apenas um Orkut global - mais do que ambiente digital de relacionamento pessoal, o "Feice" (como os brasileiros chamam o site) se tornou uma espécie de território seguro que abriga toda a internet.

Alexandre Matias, O Estado de S.Paulo

03 Abril 2011 | 00h00

As mudanças no Google começaram em fevereiro, quando seu CEO, Eric Schimdt, anunciou que deixaria o cargo em abril, ficando a vaga para Larry Page, um dos fundadores do site. No mesmo mês, o Google também se viu obrigado a mudar seu algoritmo de buscas, pois alguns sites conseguiam entender como trapacear o ranking de páginas oferecido a cada pesquisa, subindo degraus e figurando entre os primeiros resultados.

Na semana passada, o site apresentou mais uma novidade para melhorar suas buscas, um botão chamado "+1". Após fazer uma busca sobre qualquer assunto e descobrir entre os primeiros resultados obtidos qual é o link que melhor se encaixa à pesquisa, basta clicar o "+1" para mostrar que o link é confiável e que alguém o recomendou.

Familiar? Demais. O botão "+1" é idêntico ao "Curtir" do Facebook, botãozinho mágico que ajudou o Feice a crescer ainda mais no segundo semestre de 2010. Mas por que o Google está copiando o Facebook?

A página inicial do Google pergunta para quem o visita o que ele quer da rede. Isso fazia sentido na virada do século. Hoje em dia, com a tonelada de informações que recebemos, não. Não queremos descobrir coisas novas. Nos anos 10 do século 21, queremos que nos digam o que vale a pena. Eis a sacada do Facebook, que, em vez de perguntar o que quer, oferece dicas de amigos. O Google tenta correr atrás, mas será que o "+ 1" pega?

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.