Joel Ryan/AP
Joel Ryan/AP

A força da amizade

Primeira parte da saga final de Harry Potter chega aos cinemas nesta madrugada como o mais sombrio da série

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2010 | 00h00

Havia uma estranha calma no desfecho da aventura anterior de Harry Potter, a sexta adaptada dos livros de J.K. Rowling, O Enigma do Príncipe. Consciente de que é o escolhido, Harry anuncia que tem de levar adiante a tarefa de Dumbledore, que colecionava as memórias de Valdemort em busca de uma, em especial, para compreender melhor como ele conseguiu se preservar à destruição da morte. E Harry dizia, lembram-se?, que nunca se havia dado conta de como o mundo que se descortina de Hogwarts era bonito. Sua luta, ele crê, era solitária, mas Hermione lhe dizia que era um tolo, pois Ron e ela estariam sempre a seu lado.

Era um final sereno, o mundo visto do alto. A calma que precede a tempestade. O sétimo filme da série, que, a partir das 23h55 de hoje, toma de assalto as telas de todo o Brasil - serão 700 cópias, o que ameaça o reinado de Tropa de Elite 2, mas o filme de José Padilha ainda tem fôlego para romper a barreira dos 10 milhões de espectadores -, é o primeiro da série de dois em que foi dividido o último livro sobre o bruxinho. Harry Potter e as Relíquias da Morte - Primeira Parte entra agora, a segunda fica para meados (julho) do ano que vem.

Se o anterior terminava calmo, o atual começa em clima de guerra, com as forças de Valdemort lançando seu ataque contra Harry. O herói está sendo levado para lugar seguro e todos se metamorfoseiam nele. Há uma multidão de Harrys em cena. E há uma carnificina, meio elenco morre nos minutos iniciais de As Relíquias da Morte, só que o espectador não vê essas mortes.

Elas - e outras, ao longo do filme - são referidas somente nos diálogos. É o filme mais sombrio da série. Sob o efeito de sortilégios, o trio ameaça dividir-se, corroído por ciúmes e desconfianças. Mas a amizade prevalece. Harry Potter e as Relíquias da Morte termina bem - e triste - com um funeral, seguido da investida final de Valdemort, que se apossa da relíquia (qual?) enterrada com Dumbledore e abre a caçada da segunda parte, a final de toda a saga.

Em Cannes, no ano passado, conversando com o repórter sobre sua participação em Aconteceu em Woodstock, Imelda Staunton comentou seu trabalho com autores de prestígio, como Ang Lee e Mike Leigh (O Segredo de Vera Drake). Nenhum dos dois lhe mereceu a definição de gênio. Esta, Imelda reservou para David Yates. Com ele, Harry Potter ganhou em densidade, sem perder em aventura nem magia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.