A fé no encalço de Maria

Em Memorial da Virgem, Reis Velloso põe em debate a fidelidade dos cristãos

José Maria Mayrink, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2010 | 00h00

Livro surpreendente, este Memorial da Virgem, pela insuspeitada espiritualidade do economista João Paulo dos Reis Velloso, mais conhecido pela sua atuação no governo militar, como ministro do Planejamento dos presidentes Emílio Médici e Ernesto Geisel, de 1969 a 1979. São páginas comoventes e piedosas de um homem que, beirando os 80 anos de idade, reflete sobre sua fé, tentando interpretar o cristianismo do século 21 a partir da visão de Maria, a mãe de Jesus, personagem principal desta "história de amor", na definição do autor.

Reis Velloso, que na apresentação da obra revela ter recebido o manuscrito do livro das mãos do abade de um mosteiro, no Rio de Janeiro - supostamente um artifício literário, para anunciar que este volume é o primeiro de uma trilogia religiosa a sair nos próximos meses -, inspira-se na narrativa dos quatro evangelhos, aos quais acrescenta a contribuição de fontes antigas e modernas, do historiador judeu Flavius Josephus, contemporâneo de Cristo, ao romancista brasileiro Otávio de Faria, que escreveu a peça Três Tragédias à Sombra da Cruz.

Maria de Nazaré permeia os capítulos desse evangelho segundo João Paulo Reis Velloso com a beleza e a discrição que marcam seu perfil nas páginas do Novo Testamento. As reflexões que o autor atribui a ela na introdução - 21 perguntas que a Virgem se faz em nossos dias - justificam o Memorial do título, na medida em que questionam a fidelidade dos cristãos aos compromissos de uma fé que, 20 séculos após crucificação de seu filho, atrai cerca de 2 bilhões de pessoas, ou um terço da população mundial.

Atrás das palavras de Maria e da história dos personagens que, como João Batista, Maria Madalena, Pedro e Judas Iscariotes, sobressaem nesse livro, esconde-se a dedicação do autor. Reis Velloso reescreve com piedade e amor a tragédia do Homem-Deus que se deixou pregar na cruz para a salvação dos homens. Citações de profetas do Velho Testamento e transcrições de longos trechos dos Evangelhos, em traduções às vezes livres, mas não menos fiéis, dão sequência à narrativa, do anúncio do anjo Gabriel à assunção da Virgem de Nazaré ao Céu.

Reis Velloso, o ex-ministro que em sua carreira profissional e acadêmica mais se dedicou à economia, ainda hoje se ocupa dessa área como presidente do Fórum Nacional/Instituto Nacional de Altos Estudos, criado por ele em 1988 para debater o desenvolvimento do País.

Sobre religião e espiritualidade ele escreve nas horas de folga, geralmente aos sábados, revendo os supostos manuscritos - ou a inspiração - dos momentos de meditação e paz de um imaginário ou real mosteiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.