"A Falha Trágica" estréia no sábado

Há três anos uma cooperativa de atores - capitaneados pelo diretor Paulo Fabiano - reuniu-se para realizar o sonho de toda companhia teatral: uma sede própria. Um espaço onde os artistas pudessem investigar, pesquisar e criar sem compromisso com imediatismo, sem a pressão de uma agenda de estréias.Nascia aí o Estúdio Teatro X, em Santa Cecília, uma pequena sala com palco circular que abrigou as primeiras montagens realizadas pelos sete artistas do núcleo de criação: Torre de Babel, de Fernando Arrabal, O Rouxinol e a Rosa de Oscar Wilde, e Zumbi, de Paulo Fabiano. Dando continuidade à pesquisa desenvolvida pelo grupo, estréia sábado, A Falha Trágica, um leitura contemporânea da trilogia Oréstia, de Ésquilo, dirigida por Paulo Fabiano."A criação do Estúdio Teatro X, nossa sede, foi de vital importância para concretizarmos um dos objetivos do grupo: a troca de experiências e a prática da reflexão", afirma Fabiano. A Falha Trágica é assim fruto de um ciclo de encontros e debates que integrou a programação do Estúdio X durante todo o ano passado.O primeiro, em abril, reuniu seis importantes grupos, entre eles o Folias d´Arte, a Cia. do Latão e Razões Inversas para debaterem o panorama teatral brasileiro contemporâneo. Gianni Ratto, Eduardo Tolentino e Antonio Araújo estão entre os 11 diretores que integraram o segundo ciclo, discutindo a influência da produção no processo de criação teatral.Embora evidentemente todo o ciclo tenha contribuído para o enriquecimento do núcleo, a criação do espetáculo que estréia no sábado é conseqüência direta do último programa de debates, Encontro com Novos Dramaturgos. Gerson Steves, um dos participantes, é o autor do texto final de A Falha Trágica que abre a série Mitos, que terá ainda Prometeu Enjaulado, de Celso Cruz, e Do Gabinete de Joana, de Rubens Rewald."Essa série leva para o palco nossa pesquisa em torno de personagens arquetípicos. Após os encontros de nova dramaturgia, sentimos vontade de encenar essa nova produção de textos que gira em torno de elementos míticos, mas também reflete sobre as sociedades atuais." Com seis atores em cena, A Falha Trágica tem linguagem fragmentada, uma espécie de quebra-cabeça dos acontecimentos da trilogia, que vão ganhando sentido ao longo do espetáculo. "O público vai seguindo a trilha de uma crise familiar, na qual as peças vão se ajustando até a compreensão." A Falha Trágica. De Gerson Steves. Direção Paulo Fabiano. Duração: 1h30. Sexta e sábado, às 21 horas; domingo, às 20 horas.R$ 10,00. Estúdio Teatro X. Rua Barão de Tatuí, 258, tel. 3661-1318. Até 26/8. Estréia sábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.