A experiência espiritual de Tio Boonmee

Paulo Emilio Sales Gomes, o grande crítico brasileiro, dizia que nunca estamos completamente preparados para uma revolução, uma paixão ou um filme excepcional. Essa sensação de que o chão falta sob nossos pés é causada, por exemplo, por um filme como Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas, do tailandês Apichatpong Weerasethakul. Não existem critérios de comparação porque Apichatpong parece original por completo. Só o medimos por ele mesmo, ou pelo que conhecemos de sua obra, em especial o também enigmático Mal dos Trópicos.

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2011 | 00h00

Como se aproximar desses filmes? Notando o que há neles de comum, talvez o fascínio pela selva, como se fosse o local, fora da cidade, onde o diretor espera por algum tipo de epifania. Sim, porque existe algo como uma iluminação esperando por esses personagens que se movem no labirinto das florestas. Pode ser um tigre que espreita o caçador, como em Mal dos Trópicos; podem ser almas de pessoas que já morreram, como em Tio Boonmee. Tudo é estranho. Mas a arte de Apichatpong faz essas extravagâncias parecerem naturais. Como nos parecem naturais os sonhos, por absurdos que os achemos ao despertar. Há um tempo do sonho e um tempo da vigília. Há um tempo do cinema e um tempo da "vida normal". Apichatpong explora essa possibilidade de existências sobrepostas, uma tão real como a outra, mesmo que ofendam o pensamento lógico. Ou que destruam do pensamento único realista que domina o cinema contemporâneo.

A ideia do filme, conta o diretor, é livremente inspirada em livro de um monge, que fala exatamente em reencarnação. No texto, em determinado momento, o autor se refere a um certo Boonmee, que teria a capacidade de recordar-se de suas vidas passadas. Eis aí o nosso personagem. Com o detalhe de que o Boonmee do filme está doente, e, moribundo, resolve se retirar para a floresta. Recolher-se para a morte - e esta é a meditação que passa em filigrana pela narrativa que tem na memória seu tema mais forte. Se é que se pode chamar narrativa a uma experiência bastante sensorial, buscada pelo apuro estético de quem também é artista plástico e sabe construir uma imagem para obter determinados efeitos. O principal desses efeitos, parece, é nos arrancar do embrutecimento cotidiano e nos fazer reabrir os olhos e enxergar alguma coisa, mesmo que indefinida. Não é pouco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.