Priscila Prade/Divulgação
Priscila Prade/Divulgação

A evolução das espécies na poética de Bertazzo

Em novo espetáculo, coreógrafo investiga traços animais

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2010 | 00h00

Ivaldo Bertazzo prepara um livro. Colocou no papel suas pesquisas de mais de 30 anos sobre o corpo, sobre a reeducação do movimento, sobre a presença de traços animais em nossos gestos. A obra deve ser lançada só em outubro. Mas, antes disso, o coreógrafo pretende materializar todos esses conceitos no palco, nos corpos dos bailarinos de sua companhia. Foi para isso que criou Corpo Vivo - Carrossel das Espécies, espetáculo que estreia hoje no Sesc Pinheiros. "A peça é como se fosse a parte poética, imaginária dessas questões", pontua Bertazzo.

Na montagem que mescla as linguagens da dança e do teatro, o diretor passa em revista a evolução da espécie da humana e trata de evidenciar na dinâmica corporal do homem resquícios de movimentos que seriam típicos de répteis, peixes, pássaros e quadrúpedes. A história, que tem roteiro assinado pela dramaturga Marília de Toledo, centra-se na trajetória de um monge, vivido pelo ator Rubens Caribé. Depois de dedicar sua vida ao estudo da filosofia, o protagonista se depara, na maturidade, com certo descompasso entre o corpo e o espírito. Além de Caribé, Bertazzo leva ao palco a meio-soprano lírica Regina Elena Mesquita e um elenco de 16 bailarinos, meninos e meninas de 18 a 24 anos, que o acompanham desde a montagem de Samwaad - A Rua do Encontro, em 2004.

CORPO VIVO

Sesc Pinheiros. R. Paes Leme, 195, 3095-9400. 5ª a sáb., 21 h; dom., 18 h. R$ 30.

Até 17/10.

O MÉTODO

Cidadãos Dançantes

Há mais de 30 anos, Ivaldo Bertazzo trabalha com bailarinos não-profissionais, que ele chama de Cidadãos Dançantes, na busca por uma educação do corpo e na afirmação do gesto como manifestação da individualidade.

Biomecânica

Além da dança, seu método busca apoio na fisioterapia e pesquisa o funcionamento do aparelho locomotor e a biomecânica humana.

Cidadão Corpo

Em sua escola, aplica um conceito que batizou de "cidadão-corpo". Com ele, o coreógrafo busca ampliar em seus alunos a consciência e a autonomia do movimento. Em seus exercícios, tenta mostrar como é possível compreender o próprio corpo.

TRECHO

"Um dia antes do alvorecer, no claro escuro dos tempos primordiais...

...sons bizarros despertaram a atenção dos bichos de uma quente floresta. Répteis, quadrúpedes, primatas, pássaros, num corre-corre de curiosidade se amontoavam para ver, perplexos, a estranha cena. (...) Um novo ser se anunciava, porém, a fêmea que dava à luz gemia muito alto. Expunha em sua angústia a necessidade de ajuda.

 

CORPO VIVO

Sesc Pinheiros. R. Paes Leme, 195, 3095-9400. 5ª a sáb., 21h; dom., 18h. R$ 30. Até 17/10.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.