A diáspora celta na voz de Loreena McKennitt

Aos 56 anos, a cantora canadense Loreena McKennitt pode ser ouvida em muitas vozes da nossa época, de Enya a Florence + the Machine, de Björk a Joanna Newson. Ela abriu uma picada numa floresta ainda virgem, revisitando canções ancestrais da tradição celta e imprimindo a elas uma leitura pop e new age.

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2013 | 02h24

Muito influente, Loreena toca piano, harpa e acordeão e canta. Seu primeiro disco, Elemental, é de 1985. Fez a música para a série de TV feminista The Burning Times, sobre julgamentos de "bruxas" na América do Norte. Apresenta-se pela primeira vez no Brasil, e contou em entrevista ao Estado como construiu, "viajando e seguindo a história", o amálgama que resultou na sua arte. "A tradição celta estava na herança cultural da minha família. Muitos na minha terra (ela é de Manitoba) vieram da Escócia e da Irlanda para o Canadá. Então, minha fascinação era primeiro pela minha história pessoal. Para compreendê-la, tive de aprender a música, particularmente a irlandesa. Sem isso, sem apreciar a música, é impossível compreender o contexto econômico e político da cultura", lembrou.

Sua busca pelas raízes celtas a levou até lugares distantes, como a Turquia, o Marrocos, o Irã e parte da Ásia. "Fui a sítios arqueológicos, falei com arqueólogos e historiadores. Mas estudei tudo num nível amador. Aí, chegou um momento em que eu disse: OK, como colocar isso agora em minha expressão artística?".

Segundo Loreena, a música funcionou como um "polo gravitacional" da arte. "Primeiro veio a autoeducação, depois, o processo artístico. Me alimentei de história, criando uma documentação para satisfazer minha própria curiosidade intelectual. E não só criando peças artísticas. Não é assim, não se pega algo da cultura histórica e se usa como um pincel para pintar uma tela." Em 2012, Loreena foi indicada para o Grammy de Melhor Álbum New Age, rótulo que ela não parece encampar.

"Quando ouço minha própria música, acho que new age não é a categorização apropriada. Anos atrás, viajando pela Europa, aprendi que o termo new age era usado para definir a música de Peter Gabriel, Tori Amos, Kate Bush. Ali eu me achava em boa companhia. Mas a interpretação norte-americana é equivocada. Toco e faço discos com pessoas de formação clássica, há gente que vem do jazz, outras da música experimental."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.