A construção de uma verdade

Obra de Janet Malcolm acompanha o julgamento no qual uma médica é acusada do assassinato do ex-marido

LUIZ ZANIN ORICCHIO, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2012 | 03h08

Janet Malcolm abre seu Anatomia de Um Julgamento - Ifigênia em Forest Hills com uma cena descritiva de tribunal. Mozoltuv Borukhova, médica de origem usbeque de 35 anos, estava sendo acusada de assassinato. Janet, escritora famosa de livros como O Jornalista e o Assassino e A Mulher Calada (que está agora sendo relançado pela Companhia das Letras), traça um retrato da ré: "Mulher baixa e magra, de aparência peculiar. Seu traços eram delicados e a pele tinha uma palidez cinzenta." Prossegue, com a descrição das roupas (paletó preto masculino e saia preta, até o chão) e da atitude da acusada, que mantinha postura altiva e tomava notas num caderninho.

O detalhismo revela-se parte da estratégia do texto. Janet descreve o julgamento como um ritual - um teatro, em suma. Nesse palco, o veredicto dependerá talvez menos das evidências apresentadas que do combate retórico entre promotor e advogado de defesa. E, também, das aparências, em particular de quem está sendo acusado. Daí a suposição de que tanto o tipo físico de Borukhova, quanto seus trajes e atitudes tenham influenciado seu destino, traçado pelo corpo de jurados. Borukhova não fazia questão de se apresentar como mulher simpática, arrependida ou injustiçada. Parecia indiferente ao que ali se passava e superior aos que a julgavam.

Mazoltuv (ou Marina) Borukhova não estava sendo acusada sozinha. Junto com ela havia o autor material do crime, Mikhail Mallayev, que disparara duas vezes e ferira de morte o ortodontista Daniel Malakov, ex-marido de Borukhova. Havia testemunhas do crime. E evidências de ligação entre Mallayev e Borukhova, que haviam trocado nada menos de 91 telefonemas nas vésperas do crime. As ligações pareciam configurar o homem como autor do crime e a mulher como mandante. O motivo estaria na guarda da filha de Borukhova e Malakov, a garota Michelle, de 5 anos, que vivia com o pai. Após a separação, a mãe perdera a guarda.

Todos os envolvidos - a vítima, os dois acusados e suas famílias - pertenciam à seita judaica bucarana, cuja história se entranha num emaranhado de versões e lendas. Seria uma das tribos perdidas de Israel e sobreviveu a dois mil anos de opressão sob domínios persa, mongol, árabe, do império russo e, por fim, soviético. Borukhova nascera no Usbequistão, na União Soviética, e chegara aos Estados Unidos em 1997, onde estudara medicina, se formara e passara a exercer. Apresentava ainda, na observação de Janet, leve sotaque em seu inglês um tanto imperfeito.

Todos esses detalhes são importantes para a compreensão do caso. São estrangeiros emigrados nos Estados Unidos. Fazem parte de uma comunidade fechada, na qual se cozinham simpatias e desafetos. Existem oscilações linguísticas, algumas decisivas. Por exemplo, uma das provas apresentadas no tribunal era uma fita de áudio, registro de uma conversa entre Borukhova e Mallayev, falando em bucárico e russo. As duas últimas frases chamam a atenção do júri: "Você vai me fazer feliz?", pergunta Mallayev, ao que Borukhova responde "sim". Mas como o áudio não estava nítido, outra tradução foi proposta: "Você está descendo?", em vez de "você me fará feliz?". Em uma alternativa, aparece a sugestão do envolvimento amoroso; em outra, apenas se pergunta se a interlocutora está saindo de um automóvel.

Nesse nível de sutilezas e equívocos constrói-se o veredicto de um caso em que não existe prova material mas apenas indícios. Até o final Borukhova proclamou sua inocência. Foi condenada à prisão perpétua, sem direito a condicional. A justiça não passa dessa competição entre versões concorrentes, a da defesa e a da promotoria. A isenção completa é mera ficção. Por mais que haja impugnações na formação de um corpo de jurados, ele sempre terá uma tendência, pró ou contra o réu. O mesmo se pode dizer do juiz e da imprensa que cobre o caso.

No caso de Borukhova havia uma motivação clara - a disputa pela criança. A condenação passa menos pela apresentação de provas irrefutáveis que pela construção de um culpado pelo promotor. "Era tão inevitável que Borukhova se vingasse de Daniel pela perda de Michelle quanto Clitemnestra se vingaria de Agamêmnon pela perda de Ifigênia", escreve Janet. Esse peso mítico se abate sobre Borukhova. Assim como Clitemnestra assassina Agamêmnon por este haver oferecido Ifigênia em sacrifício a Artêmis, Borukhova teria matado, com seu cúmplice, quem a privara de Michelle. Entre as versões concorrentes - a assassina vingativa ou a médica dedicada - prevalece a da acusação.

Ao esmiuçar o caso judicial, Janet toca em algumas de suas obsessões profissionais. Entre elas, a impossibilidade de ser completamente neutro no exercício do ofício jornalístico; ou idealmente justo, no caso dos homens de toga. Somos sempre vítimas de nossas propensões e o melhor que podemos fazer é estar consciente delas, para que possamos enfrentá-las. Na medida do possível.

Na entrevista a Katie Roiphe, publicada na Paris Review e presente no livro à guisa de posfácio, Janet fala de uma obra decisiva em sua visão do mundo - Orientalismo, de Edward Said, com sua ideia de que "não existe o observador imparcial e toda narrativa é modulada pelo viés do narrador". Deveríamos entender essa circunstância do nosso conhecimento de uma boa vez por todas.

ANATOMIA DE UM JULGAMENTO

- IFIGÊNIA EM FORREST HILLS

Autor: Janet Malcolm

Tradução: Pedro Maia Soares

Editora: Companhia das Letras

(200 págs., R$ 39,50)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.