A canção de cisne do mestre Cash

JOHNNY CASH

ROBERTO NASCIMENTO, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2010 | 00h00

"AMERICAN VI: AIN´T NO GRAVE"

Preço: R$54,40

ÓTIMO

Johnny Cash fez suas últimas gravações em 2003, no período de quatro meses entre a morte de sua mulher e a sua própria, causada por complicações da diabete. As sessões foram lançadas postumamente e compõem o raro retrato de um artista consciente de que seu fim está próximo. Cash sempre trajou preto em constante luto pelo sofrimento dos oprimidos. Mas sua intimidade com a morte é mais aguçada em American VI: Ain"t No Grave e dá o tom transcendente do disco desde a faixa inicial, quando a voz calejada do cantor clama pelo anjo Gabriel e nos diz que não há cova capaz de segurar seu corpo neste mundo. A produção é impecável. O blues comedido dos violões que acompanham Cash ressaltam a resistência de um artista que produziu até a morte. Esta - ao contrário do esperado - não veste aqui seu manto negro e fatal. Ela ressoa ubíqua no barítono do cantor, nos lembrando da transitoriedade de nossa existência e sugerindo o que há por vir. É o que Cash, ao se deparar com os derradeiros compassos de uma vida de vícios e superações, tenta nos descrever.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.