Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A bomba

Se não fosse a escravatura, nós não teríamos o samba, o jazz e os ritmos caribenhos, sem falar em todas as outras contribuições dos negros para a cultura ocidental. O mesmo elogio por vias tortas pode ser feito ao comunismo, ao fascismo e outros ismos persecutórios, que mandaram artistas como Billy Wilder, Saul Steinberg, Thomas Mann, Vladimir Nabokov e tantos outros para a América. 

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S. Paulo

23 de agosto de 2015 | 02h30

Foi esta oportunidade, e os meios oferecidos pela rica América, que atraíram os cientistas da Europa para também fazerem a sua arte no exílio. O exemplo mais notório dessa arte aplicada é a bomba atômica. 

*

O físico alemão Werner Heisenberg visitou o físico dinamarquês Niels Bohr em Copenhague, em1941. Heisenberg dirigia o programa nuclear da Alemanha, e nunca se ficou sabendo exatamente sobre o que os dois amigos conversaram na casa de Bohr, naquele setembro. Especulou-se que Heisenberg teria levado a Bohr a proposta de um compromisso, a ser assumido por cientistas dos dois lados, de não construir a bomba ou de sabotar a sua construção, em nome de valores humanísticos acima de lealdades passageiras a pátrias e regimes. Documentos depois publicados mostram que Heisenberg não propôs nada parecido a Bohr, que só guardou da visita a certeza de que Heisenberg e sua turma não estavam nem perto de construir uma bomba nuclear. O que atrasou o programa nuclear alemão não foi a consciência, mas o preconceito burro: os nazistas achavam que física teórica era “coisa de judeu” e custaram a entender todas as implicações do átomo partido. Da mesma forma, foram as novas leis raciais italianas, inspiradas pelas nazistas, que forçaram a ida de Enrico Fermi, cuja mulher era judia, para os Estados Unidos e a emigração da maioria da sua equipe.

*

Heisenberg foi o gênio nuclear que não cruzou o Atlântico, o antiexilado, o que não aproveitou a terra da oportunidade e fracassou. Todos os cientistas que participaram do Projeto Manhattan, de construção da bomba, descreveram aquela época de oportunidade irrestrita como excitante, inesquecível, a melhor das suas vidas. Com recursos inesgotáveis, participavam da maior aventura científica de todos os tempos, sem dúvidas e hesitações europeias. Robert Oppenheimer, o cientista que comandava o projeto, conta que sua primeira reação ao saber que a primeira bomba explodira sobre Hiroshima fora um extático “Funcionou!”. O primeiro pensamento da ciência é o da sua própria validação pela eficiência. Os segundos pensamentos custam a chegar. Oppenheimer só pensou aos mortos depois, se opôs ao desenvolvimento da bomba de hidrogênio e acabou sendo chamado de antipatriota. 

*

Sem o vício do antissemitismo, os alemães teriam feito a bomba antes? Talvez lhe faltasse a oportunidade da América, onde os europeus iam para recomeçar, onde tudo estava sempre recomeçando, e onde um delirante arabesco do Steinberg e um cogumelo nuclear nasciam da mesma paisagem sem história. De qualquer jeito, quem ficou com a bomba, sem nenhum escrúpulo de usá-la contra populações civis, não foi o Hitler, foi o Truman.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.