A biblioteca de Mindlin nas telas

O envolvimento de José Mindlin com a literatura é antigo: aos 12 anos, ele comprava livros em um sebo por um preço e os levava para outro sebo, onde os deixava para serem vendidos um pouco mais caro e em consignação - não queria dinheiro, apenas mais livros. "Como um sebo, naquela época, não sabia o que o outro tinha, era fácil fazer um bom negócio", diverte-se Mindlin, hoje aos 87 anos, em uma das imagens do documentário Biblioteca Mindlin - Um Mundo em Páginas, de Cristina Fonseca, que será apresentado nesta segunda-feira, às 20h30, no CineSesc, só para convidados. A exibição, porém, não será apenas restrita: no sábado, dia 27, o documentário será veiculado pela STV (canal que figura em todas as tevês por assinatura), às 21 horas. No dia seguinte, o CineSesc volta a exibi-lo, agora com entrada franqueada para o público, às 13 horas. E, quem perder todas as chances, resta uma última, na TV Cultura, que programou o documentário para 25 de maio, às 21 horas. A biblioteca do empresário José Mindlin é atualmente uma das mais apreciadas do mundo, contando com mais de 28 mil volumes, entre os quais muitas raridades. "Por isso, pretendi mostrá-la como um espaço de muitas vozes, o que é feito por meio de vários depoimentos", conta Cristina, documentarista que já realizou trabalhos sobre Os Sertões e a poesia de João Cabral de Melo Neto. É justamente a profusão de vozes que permite conhecer detalhes da coleção de livros. Durante dois anos, Cristina passou por São Paulo, Rio, Lisboa e Paris para gravar depoimentos preciosos: José Saramago fala da importância da biblioteca de Mindlin e ainda declama trechos de Mensagem, de Fernando Pessoa. Já Maria Bethânia, fascinada pela variedade de títulos, lê a poesia de João Cabral. E o cineasta e roteirista Jean-Claude Carrière declama Rimbaud. Amigos do empresário também participam, como o ensaísta Antonio Candido, que fala sobre literatura brasileira, o historiador Evaldo Cabral de Melo Neto ("Mindlin é um empresário raro, pois erudito"), o poeta Haroldo de Campos, que comenta a produção literária em diferentes países da Europa e América Latina, e os críticos Arlindo Machado e Boris Schnaiderman comentam tanto a inserção da literatura na cultura de massa como o livro eletrônico. "Todos participaram com prazer do documentário, revelando admiração pelo trabalho de Mindlin", observa Cristina que, não satisfeita em ouvir apenas intelectuais, gravou ainda entrevistas com moradores de rua, que descobriu também como leitores. "Fiquei surpresa em encontrar pessoas que, apesar de não terem nenhum bem material, nem casa, conseguem guardar um livro entre os poucos pertences." O documentário mostra também obras raras que Mindlin, ex-repórter do Estado de S.Paulo e fundador da empresa Metal Leve, conseguiu ao longo dos anos, como a primeira edição de Triunfos, de Petrarca, de 1488. Serviço Biblioteca Mindlin - Um Mundo em Páginas. Direção de Cristina Fonseca. Hoje, às 20h30; domingo, às 10 horas e 13 horas. Grátis. CineSesc. Rua Augusta, 2.075, tel. 3064-1668. Patrocínio: Votorantin, Odebrecht e Volkswagen. Hoje, às 20h30, e domingo, às 10 horas, são sessões fechadas para convidados

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.