Epitacio Pessoa / AE
Epitacio Pessoa / AE

A aventura de Dan Stulbach no Eva Herz

Ator festeja os três anos em que dirige o teatro do Conjunto Nacional

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2010 | 00h00

Sentado no palco do Teatro Eva Herz, Dan Stulbach admira as poltronas por ora vazias com o indisfarçável prazer do dever cumprido. Atrás dele, uma mesa, cadeira, tapete, objetos que compõem o cenário da peça Dos Escombros de Pagu, com a atriz Renata Zhaneta e direção de Roberto Lage, que estreia hoje. Trata-se de uma delicada homenagem a Patrícia Galvão, escritora e crítica cujo centenário de nascimento é celebrado este ano. Um espetáculo alternativo que dificilmente ocuparia um espaço apenas interessado no retorno de bilheteria. "Aqui é diferente, pois gostamos de experimentações", comenta Dan.

Embora reconhecido como ator, ele ainda não atuou no Eva Herz - lá, sua função é a de diretor artístico, ou seja, responsável por elaborar a programação. Na semana que vem, Dan completa três anos no cargo, exatamente no dia 15 quando o teatro completa a mesma idade. Nesse período, ele apostou na diversidade cultural, transformando o Eva Herz no espaço ideal para música, teatro e debates.

"Sempre me guiei por uma fala de meu personagem em Peer Gynt, de Ibsen, peça com que estreei profissionalmente em agosto de 1990: "Seja fiel a si mesmo"." Para entender a força dessa espécie de mantra, é preciso voltar no tempo - no início dos anos 2000, Dan passou uma temporada em Londres, onde, além de fazer cursos, descobriu espaços que o fascinaram. "Eram teatros pequenos, mas com uma programação admirável", lembra. "Imediatamente, pensei em trazer a ideia para São Paulo."

O retorno à cidade, no entanto, foi como uma ducha de água fria: o preço elevado da manutenção fez com que ator quase desistisse do projeto. Quase porque teve um encontro revelador com Pedro Herz, diretor-geral da Livraria Cultura que, na época, acompanhava a transformação do espaço antes ocupado pelo Cine Astor, no Conjunto Nacional, em sua principal unidade. O projeto previa a construção de um auditório, mas, da conversa com o ator, surgiu a boa ideia de se montar um teatro.

"Convidamos o (cenógrafo) J.C. Serroni para ajudar na concepção do espaço, ao mesmo tempo em que desenvolvemos uma programação qualificada", conta Dan, auxiliado por André Accioli. Assim, surgiram apostas certeiras como A Alma Imoral, com Clarice Niskier, Doido, com Elias Andreato, e As Meninas, inspirada na obra de Lygia Fagundes Telles. Em três anos, cerca de 100 mil pessoas ocuparam os lugares daquele que, inicialmente, iria se chamar Teatro Cultura. "Ficou Eva Herz pois foi a realização de um sonho meu e de minha mãe - por isso a homenageamos batizando a casa com o seu nome", conta Pedro.

DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO

Hoje

Estreia a peça Dos Escombros de Pagu, às 21 horas

Segunda-feira

Leitura dramática de Ciranda, de Célia Regina Forte, com Daniela Galli e Tânia Bondezan, direção de José Possi Neto, às 19 horas

Terça-feira

Show com Tito Martino Jazz Band, às 12h30

Quinta-feira, dia 16

Debate sobre o espetáculo O Estrangeiro, com o ator Guilherme Leme e os jornalistas Caio Liudvik e Manuel da Costa Pinto, às 19 horas.

Sexta-feira, dia 17

Estreia a peça O Estrangeiro, inspirada na obra do escritor argelino Albert Camus, com o ator Guilherme Leme e a direção de Vera Holtz, às 21 horas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.