''A arte surge na tensão entre disciplina e caos''

A busca por reinventar a tradição descrita pelo maestro alemão Ingo Metzmacher bem poderia servir como descrição do trabalho de Wolfgang Rihm como compositor. Ele, porém, hesita perante a comparação. "Eu não sei verdadeiramente dizer o que você deve ou não ouvir em minha música. Eu a escrevo e pronto. Não há nenhuma mensagem por trás das obras que crio. Não funciona assim, pelo menos não para mim. No fundo, você se propõe a criar - e a obra faz o que quer com você", diz, sorrindo.

João Luiz Sampaio, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2010 | 00h00

Uma obra como Ernst Gesange, porém, apresentada no começo da semana pela Filarmônica de Viena, o coloca em contato direto com o passado. Encomenda da Sinfônica de Chicago, é uma homenagem a Brahms. Ao longo de três movimentos, ele invoca algumas das obras do compositor. Não as cita, faz alusões. E o resultado é uma mistura em que a preocupação formal, marca de Brahms, busca equilíbrio com o caos que a cerca na escrita de Rihm.

"Mais do que pensar uma maneira de reinventar a tradição, é essa oposição que me interessa bastante. Caos e disciplina. É o ponto em que arte pode surgir. Sem o caos, a disciplina não leva a nada. Sem a disciplina, o caos não funciona. Como artista, você precisa da disciplina para transformar o caos em algo consistente. Mas para que sua disciplina tenha algum poder, não é possível prescindir do caos. Talvez o termo "caos" tenha perdido seu sentido verdadeiro, virando sinônimo de bagunça, de qualquer coisa. O caos me rodeia e me sinto, como diziam os gregos, em um espaço livre no meio dele. É aqui que você trabalha. Se dá um passo para o lado, o que você consegue é o nada. Isso gera uma tensão - e sem ela não há arte. E o dionisíaco e o apolíneo de Nietzsche. Veja o caso de Brahms. Seu primeiro concerto para piano é uma bagunça caótica. Mas ele a trabalha em direção da forma. Sem ela, teria sido impossível construir alguma coisa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.