Marcos Mendes/AE
Marcos Mendes/AE

A arte de Wesley Duke Lee na Pinakotheke

Artista morto recentemente organizou um dos primeiros hapennings no Brasil

Marina Vaz, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2010 | 06h00

Em outubro de 1963, Wesley Duke Lee (1931-2010) organizou uma ação contra a censura à sua série de pinturas ‘Liga’, considerada excessivamente erótica. Atraiu uma multidão ao Centro e a levou para ver, com lanternas, as obras no João Sebastião Bar. Este, que é considerado um dos primeiros ‘happenings’ no Brasil, está registrado em fotografias em mostra que abre 2ª, 25, na Pinakotheke São Paulo.

A retrospectiva reúne mais de 60 obras feitas entre as décadas de 50 e 90, além de objetos pessoais, documentos e correspondências do artista. Há também depoimentos de pessoas próximas a ele. "Conversei com Nelson Leirner, Carlos Vergara e Antonio Dias - no fim, esta foi uma exposição construída pelos grandes amigos de Wesley", observa o curador Max Perlingeiro.

Entre as obras estão um ‘retrato’ de Assis Chateaubriand, que, na verdade, é uma instalação de 4 m2 em que o público pode interagir com objetos relacionados ao universo de ‘Chatô’. A série de pinturas ‘demasiadamente eróticas’, com seus traços delicados, também estará lá. Sem censura.

ONDE: Pinakotheke. Rua Ministro Nelson Hungria, 200 - Morumbi. Até 4 de dezembro. Seg. à sex. das 10h às 19h e sábado das 10h às 16h. Mais informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.