A arte ''cultural'' de Wilson e Ney

Ao ser lançado, em 1980, o disco A Arte Negra de Wilson Moreira e Ney Lopes causou apreensão entre os executivos da então EMI-Odeon. Eles achavam que o disco era muito "cultural" e, por isso, poderia enfrentar dificuldades comerciais. Hoje, a obra é referência obrigatória não só no samba, como na música popular brasileira. "Se fosse do jeito que eles gostariam, ninguém se lembraria dele hoje", diz Ney. O que era defeito virou a principal virtude da obra.

Fernando Paulino Neto / RIO, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2010 | 00h00

Passados 30 anos, o Instituto Moreira Salles reuniu os dois artistas anteontem, no Rio, num show especial para comemorar a data redonda na sede da Gávea que, antes, era a casa do banqueiro Walter Moreira Salles. Wilson e Ney entraram no palco trajados com tanta elegância que Ney não resistiu e chamou o velho parceiro de "Wilson Moreira Salles", arrancando risos da plateia antes mesmo do primeiro acorde. Bem diferente do clima da capa do disco quando, segundo Ney, eles quiseram fazer o estilo "negritude invocada". Wilson aparece com uma camiseta sem mangas de crochê e Ney, com a cara amarrada.

A partir dali, a dupla desfiou o repertório de 14 músicas do disco entremeado com causos e histórias que transformaram a homenagem em momento único de samba e alegria. O curioso é que, mesmo sendo o primeiro disco da dupla cantando suas próprias obras, A Arte Negra... só tem uma composição à época inédita, o samba-réquiem Silêncio de Bamba homenagem ao compositor Candeia, morto em 1978. "O Wilson deu o mote quando morreu um mestre sala anos antes. Ele olhou o caixão e disse: "Silêncio de um bamba". Após alguns anos, virou samba.

Depois de cantar Coité, Cuia, um samba calango do início da parceria, que fala "na coité bebi cachaça/ de cana caiana purinha...", Wilson Moreira bebeu um gole de água e disse: "Nos meus tempos, isto aqui era conhaque." Rapidamente, a produção providenciou dois copos da bebida. O show continuou, mas, ao final, os dois copos restaram intocados na mesa cenográfica. Outros tempos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.