A aposta

Tinham jantado na casa de amigos e mais tarde, na cama, Maria perguntou a José:

VERISSIMO, O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2014 | 02h05

- Aquilo que você contou no jantar, é verdade?

- O que, da aposta?

- É. Pra mim você nunca tinha contado.

- Contei não? Contei sim! E também, faz tanto tempo.

- Você não achou que eu deveria saber?

- Foi uma bobagem, Maroca. Daquelas coisas de mesa de bar quando já está todo o mundo meio alto...

- Mas você apostou mesmo que a primeira mulher que entrasse no bar, você casaria com ela?

- Apostei. E felizmente, a primeira mulher que entrou foi você, a mulher da minha vida, a mãe dos meus três filhos, minha querida esposa há 35 anos, 35 anos de felicidade e...

- E se tivesse entrado outra?

- Mas não entrou.

- Mas se tivesse? Pela aposta, poderia ser qualquer mulher. Bonita, feia, branca, preta, amarela, manca, louca...

- Claro que não. Se não fosse uma mulher linda como você, eu não manteria a aposta. Mas quis o destino que...

- Não, Zeca. O destino não. O acaso.

- Então tá: o acaso. Não é assim que acontecem todos os casamentos? As pessoas se conhecem por acaso, se apaixonam e se casam. O acaso é apenas um instrumento do destino. E o nosso destino era 35 anos de um casamento perfeito.

- 35 anos, por acaso. Porque um dia eu entrei num bar pra tomar uma Coca-Cola. Está aí, devemos nossa vida a uma Coca-Cola, que, aliás, você pagou. E a uma aposta. Uma aposta, Zeca.

- Já me arrependi de ter contado a história. Se não contasse, você nunca ficaria sabendo.

- Mas agora eu sei. Só não sei como eu vou conseguir viver, daqui pra frente, sabendo.

- Ora, Maria! Que diferença faz como nós nos encontramos? Se não fosse a aposta, nos conheceríamos de outra maneira. De qualquer jeito, nossa vida de casados seria exatamente igual.

- Não, Zeca. Estou me imaginando naquela calçada, há 35 anos. Com calor, com sede, me perguntando: entro ou não entro num bar pra tomar uma Coca?

- Entra no bar, Maria.

- Entro ou não entro? Que vida eu teria se não entrasse no bar? Em quem eu esbarraria, na esquina, por acaso? Talvez um milionário, com quem me casaria, e hoje estaria vivendo num condomínio em Boca Raton? Talvez...

- Entra no bar, Maria!

Mais conteúdo sobre:
Verissimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.