8,3 mil obras de história e afeto

Eles eram intelectuais, amigos dos mais importantes autores brasileiros de seu tempo, e juntavam livros não como fetichistas que admiram o crescimento da coleção, mas na condição de apaixonados pelo conhecimento.

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

01 Abril 2011 | 00h00

Em 1959, morto num acidente aéreo, o casal de escritores Octavio Tarquinio de Sousa e Lucia Miguel Pereira deixou, no apartamento em que viviam, em Laranjeiras, no Rio, uma biblioteca de cerca de 8,3 mil exemplares, iniciada no início do século 20.

Este acervo protegido pelo neto que criavam como filho - Antonio Gabriel, hoje com 73 anos - estará aberto à visitação pública nos próximos meses, na biblioteca que será instalada no novo prédio da Procuradoria-Geral do Estado, no centro.

Enquanto as obras no edifício não são concluídas, o conteúdo das estantes de cedro maciço pode ser conhecido no site www.octavioelucia.com. Para os pesquisadores, em especial os que se debruçam sobre o período imperial, é uma fonte e tanto. Sousa é autor dos dez volumes de História dos Fundadores do Império do Brasil, lançados nos anos 50 e referência até hoje.

Para os curiosos, estão disponíveis dedicatórias amorosas de escritores como Carlos Drummond de Andrade, que os trata como "gente do melhor coração" numa poesia na folha de rosto de Claro Enigma (1951). Em 1947, Graciliano Ramos escrevera, na de Caetés: "Caro Tarquínio e caríssima Lucia: façam-me o favor de não ler esta miséria".

Guimarães Rosa, Manuel Bandeira, Jorge Amado, Gilberto Freyre, Monteiro Lobato, Vinicius de Moraes... Pense num grande nome das nossas letras, e haverá uma assinatura sua num livro dessa coleção.

O valor do conjunto é incalculável. Antonio Gabriel resistiu durante esses 52 anos a investidas de sebos e até de universidades norte-americanas. "Esta é a biblioteca mais importante do Brasil em termos de primeiro reinado. Sempre tive consciência de que deveria ficar no Brasil. É um tesouro nosso, ainda que os governos estejam se lixando para isso. Mais de 30% dos livros têm dedicatórias. Estou prestando uma homenagem àquelas duas pessoas que eu amava. A biblioteca ficará una, com o nome deles e acessível", orgulha-se.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.