64 mil exemplares vendidos em um dia

Metáfora dos anos 1970, quando o trauma da Guerra do Vietnã incentivava a juventude a defender a paz à base de lisérgicos, Fernão Capelo Gaivota demorou para se tornar um sucesso - a primeira levou meses para se esgotar. Foi só em 1972 que Jonathan Livingston Seagull tornou-se um fenômeno, chegando a vender 64 mil exemplares em um único dia, nos Estados Unidos.

Entrevista com

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

04 Julho 2010 | 00h00

Baseado na força do amor e do perdão contra a opressão da rotina, o livro recebeu uma inteligente versão em português, a começar pelo título - como Jonathan Livingston é o nome de um pioneiro aviador americano, optou-se por um similar de Portugal, Fernão. E, para completar o nome triplo e representar o misticismo da gaivota, escolheu-se Capelo, que é o chapéu usado por capelães.

A história inspirou um filme, de Hall Bartlett, em 1973, cujo maior destaque é a trilha sonora de Neil Diamond. Motivou também uma paródia escrita pelo humorista Carlos Eduardo Novaes, Cândido Urbano Urubu, lançada em 1975 pela Nórdica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.