40 anos depois do desaparecimento

Embora fosse feriado e fizesse sol, Rubens Paiva achou melhor vestir um terno antes de acompanhar os agentes do serviço secreto que haviam invadido sua casa, no Leblon, para levá-lo a prestar depoimento "rápido". Foi a última vez que a mulher, Eunice, e as quatro filhas o viram. Marcelo, único filho homem, então com 11 anos, ainda dormia.

Raquel Cozer, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2011 | 00h00

Na última quinta-feira, feriado de São Sebastião no Rio, completaram-se 40 anos desde aquela manhã. Sem nunca ter confirmado o paradeiro do corpo do pai e marido, apesar de provas de que morreu dois dias depois, os herdeiros e a mulher do ex-deputado definiram o próprio feriado como a data da morte - cujo atestado, por sinal, chegaria às mãos de Eunice só em 1995.

O caso, agora lembrado com detalhes no livro Segredo de Estado - O Desaparecimento de Rubens Paiva, do jornalista, escritor e tradutor Jason Tércio, tornou-se emblemático dos crimes políticos ocorridos durante o regime militar em especial porque Rubens Paiva (1929-1971) nunca se envolveu com a luta armada.

No momento em que foi levado pelos agentes do serviço secreto, o ex-deputado do PTB, que tivera o mandato cassado logo após o golpe de 1964, estava havia seis anos e meio afastado da política e ainda avaliava se, três anos e meio depois, quando recuperasse os direitos políticos, voltaria a concorrer a algo. Fazia então parte da chamada rede de apoio, ajudando perseguidos políticos a saírem do País e enviando para a imprensa internacional relatos sobre os abusos contra os direitos humanos.

Com "80% de verdade, a partir de pesquisa minuciosa, e 20% de criação", de acordo com o autor, a obra reconta os momentos finais de liberdade de Rubens Paiva e imagina seus últimos instantes de vida a partir de depoimentos. Ao mesmo tempo, refaz a trajetória política jovem que, filho de um bem-sucedido imigrante português, se envolveu ainda na faculdade com ideais socialistas.

Sobre a opção de recorrer à imaginação quando os fatos não bastavam para a reconstituição da história, Tércio destaca a grande ironia dessa história - o fato de que a maior ficção que aparece no livro seja o documento oficial e detalhado do DOI-Codi sobre uma fuga mirabolante que Rubens Paiva não teve nem tempo para pensar em elaborar.

SEGREDO DE ESTADO

Autor: Jason Tércio. Editora: Objetiva. Quanto: R$ 39 (336 págs.). Lançamento: hoje, às 19 h, na Livraria Argumento

(Rua Dias Ferreira, 417, Leblon).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.