30 anos depois, crônicas de Plínio Marcos são reeditadas

?Lá onde o vento encosta o lixo e as pragas botam os ovos, nos atalhos esquisitos, estreitos e escamosos do roçado do bom Deus, vive o povão lesado da sociedade, que, apesar de tudo, é generoso, apaixonado, alegre, esperançoso e crente numa existência melhor na paz de Oxalá. Eu sou o repórter dessa gente simples?. É essa a apresentação que Plínio Marcos fez de Histórias das Quebradas do Mundaréu, a coletânea de contos e crônicas que escrevia para o jornal Última Hora, de São Paulo, lançada originalmente em forma de livro em 1973. Amanhã, três décadas depois de sua primeira publicação, sai a segunda edição da obra, pela Editora de Cultura. A prosa de Plínio Marcos não é tão conhecida como seu trabalho em teatro, mas mantém sua atualidade. ?Se meus textos são atuais, o mérito não é meu. A culpa é do País, que não mudou?, dizia Plínio, morto em São Paulo em novembro de 1999.O lançamento acontece a partir das 14 horas na Praça Benedito Calixto, em Pinheiros, como parte do projeto ?O Autor na Praça?, promovido há cinco anos no local. O primeiro deles aconteceu com a presença de Plínio Marcos, autografando Querô ? Uma reportagem Maldita, em 1º de maio de 1999.Além do lançamento de Histórias das Quebradas..., outro evento está marcado para amanhã. Ignácio de Loyola Brandão vai autografar o livro Melhores Crônicas ? Ignácio de Loyola Brandão da Global Editora. A obra foi organizada por Cecília Almeida Salles, que também estará lá. Lançamento de Histórias das Quebradas do Mundaréu - De Plínio Marcos. Editora de Cultura. 180 páginas, R$ 28,00. E sessão de autógrafos com Ignácio de Loyola Brandão. Sábado, das 14 às 21 horas, no projeto ?O Autor na Praça?, na Feira de Artes da Praça Benedito Calixto, Pinheiros. Entrada franca.

Agencia Estado,

30 de abril de 2004 | 18h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.