Acervo Estadão
Acervo Estadão

30 anos de 'Caderno 2': campanha publicitária uniu Roger, do Ultraje a Rigor, e Lúcio Alves

Intenção era mostrar como um conteúdo tradicional podia conviver perfeitamente bem com a modernidade

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2016 | 03h00

Cerca de 450 bancas de jornais, além de restaurantes, cinemas e teatros de São Paulo, receberam, na sexta-feira, dia 4 de abril de 1986, uma amostra do que seria o novo caderno cultura do Estado. Era o número zero (designação para exemplares experimentais) do Caderno 2, que começou a circular efetivamente no jornal no domingo, 6 de abril. O C2 chegava com uma tiragem de meio milhão de exemplares e disposto a promover uma revolução na imprensa brasileira, tanto no aspecto gráfico como no foco em cultura, artes, lazer e comportamento.

O C2 chegava com a missão de não apenas marcar a presença do Estado na cobertura cultural, como também o de trazer irreverência e leveza a um jornal secular notadamente austero, sério e moderado. Tal contraste marcou a campanha publicitária veiculada no rádio e na televisão, um comercial que unia um cantor da velha guarda, Lúcio Alves, com um então novato, Roger, do Ultraje a Rigor.

Durante quase um minuto, o comercial mostra Lúcio sendo “perseguido” pela imagem de Roger, que aparece em todos os lugares e canta uma paródia do clássico Tereza da Praia, de Tom Jobim e Billy Blanco, e que foi gravado pelo próprio Lúcio.

Com uma equipe inicial de 35 profissionais, o Caderno 2 contava com cerca de 50 colaboradores, entre colunistas, críticos, cartunistas e ilustradores. No primeiro time, destacavam-se Henfil, que recheava as páginas do caderno com seus desenhos, Caio Fernando Abreu e Antonio Bivar, escritores que assumiram colunas semanais.

O C2 recuperava também uma prática que foi comum nos jornais brasileiros dos séculos 19 e 20 e notabilizou autores como Machado de Assis: a publicação de folhetins, ou seja, capítulos de um romance inédito que, depois de divulgado o último, seria publicado em livro. A estreia da seção foi assinada por Eustáquio Gomes, que divulgou a obra A Febre Amorosa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Netflix divulga as 5 séries internacionais preferidas do público brasileiro
  • Projeta Brasil do Cinemark apresenta filmes brasileiros por apenas R$ 4
  • Glória Maria faz cirurgia para remover lesão cerebral e passa bem
  • ‘Sonic - O Filme’: Internautas aprovam ‘reforma’ do personagem; assista
  • Lollapalooza Brasil 2020: confira o line up por dia 

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.