1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura começa neste sábado em Brasília

Evento homenageará o nigeriano Wole Soyinka, Nobel de 1996, e o cartunista Ziraldo e terá a presença de escritores como Antonio Skármeta, Alice Walker e Milton Hatoum

Maria Fernanda Rodrigues,

13 de abril de 2012 | 22h00

Com a presença do Nobel de 1996, o nigeriano Wole Soyinka, que será homenageado ao lado de Ziraldo, e de escritores dos quatro cantos do mundo, Brasília dá início neste sábado à 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura. Uma extensa programação será realizada até 23 de abril num espaço de 50 mil m2, construído na Esplanada dos Ministérios. 

Orçada em R$ 6 milhões, a Bienal é um projeto da Secretaria de Cultura e da Secretaria de Educação do Governo do Distrito Federal, em parceria com o Instituto Terceiro Setor, e está inserida no Plano do Livro e da Leitura do Distrito Federal. A coordenação literária é de Luiz Fernando Emediato,  jornalista e publisher da Geração Editorial, e Nilson Rodrigues é responsável pela coordenação geral.

Estão programados seminários temáticos para debater a promoção da leitura; fé, meio ambiente e ideologias; a literatura hispânica e a africana, além de exibição de filmes adaptados de livros, peças de teatro, shows  - Caetano Veloso, Nando Reis e Capital Inicial estão entre os artistas que se apresentam, além de debates com autores. 

Além de Wole Soynka, que será homenageado neste sábado à noite e que aproveita a vinda para lançar o livro com a peça O Leão e a Jóia (Geração Editorial), confirmaram presença Alice Walker (EUA), autora de A Cor Púrpura; Antonio Skármeta (Chile), de O Carteiro e O Poeta; Kyung-sook Shin (Coreia do Sul), que acaba de lançar no Brasil o título Por Favor, Cuide da Mamãe; Alan Riding (Brasil/França), que está lançando Paris - A Festa Continuou, e ainda Miguel Sousa Tavares (Portugal), Gill Pittar (Nova Zelândia) e os brasileiros Milton Hatoum, Cristóvão Tezza, Affonso Romano de Sant'Anna, Marina Colasanti, Ferréz, Sérgio Vaz, Alcione Araújo, Olgária Mattos, Daniel Munduruku, Nei Lopes, Stella Maris Rezende, Fernando Morais, Fabricio Carpinejar, Nando Reis, Fernanda Takai, Mario Prata, João Almino, Thalita Rebouças, entre outros.

A Jornada Literária da América Hispânica é um dos destaques da programação e contará com a presença de Mario Bellatin (México), Héctor Abad Fanciolince (Colômbia), Samantha Schweblin (Argentina), Senel Paz (Cuba) e Sergio Ramirez (Nicarágua). Destaque também para o seminário que vai reunir os africanos Kangni Alem (Togo), Conceição Lima (São Tomé e Príncipe), Germano Almeida (Cabo Verde), Pauline Chiziane (Moçambique) e Onkjaki (Angola).

Para o seminário Krisis, que vai discutir fé, ideologias e religião, foram convidados, entre outros, Tariq Ali (Paquistão), John Gray (Inglaterra), Vandana Shiva (Índia), Leonardo Boff, José Dirceu e Emir Sader. 

Tudo o que sabemos sobre:
Bienal Brasil de Literatura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.