Zhang Yang filma a complexa China atual

Zhang Yang: você guardou este nome,com certeza. Como esquecer o diretor do sensível Banhos, umfilme chinês que deu banho de delicadeza e humanismo há doisanos? Há duas boas surpresas a relatar. A primeira é que ZhangYang está de volta, com novo filme. A segunda é que Abandonodo Sucesso, que estréia nesta sexta-feira, é a confirmação de umsingular talento como realizador. Zhang Yang conversou com aAgência Estado pelo telefone. Como não fala inglês, a entrevistateve de ser feita de forma triangular. O repórter falava com umassessor, que facilitava a tradução. Não há dificuldade queimpeça o prazer que é conversar com um diretor tão bom. Abandono do Sucesso baseia-se numa história realocorrida na China, no começo dos anos 1990. O próprio Yang dizque é sua pequena tragédia familiar (o pequena é dele mesmo) mostra como a fé, o humor e, acima de tudo, a esperança podemser armas definitivas contra a adversidade. O filme conta ahistória de Jia Hong-sheng, astro que ficou famoso interpretandogângsteres em filmes de ação de Hong Kong. Ao fazer, no teatro,a versão chinesa de O Beijo da Mulher-Aranha, ele virou oator preferido dos diretores da chamada sexta geração.Envolvendo-se com drogas, ele iniciou uma viagem alucinada.Trancou-se num apartamento e, afastado dos amigos, drogava-secada vez mais, viajando nas imagens e nos sons de seus vídeos eCDs preferidos. Seria uma viagem sem volta se Hong-sheng nãotivesse recebido o apoio visceral dos pais. Yang conta que Abandono do Sucesso é um filme queexplora problemas reais e sentimentos humanos - é isso que ointeressa no cinema, como ele já havia mostrado em Banhos."É uma história real sobre pessoas em crise e, por meio dela,acredito que possa fazer um comentário sobre a sociedade chinesacontemporânea". Ele diz que a China mudou muito, e rapidamente,na passagem da estrutura feudal para a revolução de Mao. Mudoumais ainda na transição para o neocapitalismo. Valores, crenças,estruturas políticas e familiares, tudo foi colocado em xeque. Foi nesse processo que Hong-sheng se envolveu com asdrogas. Elas irromperam no movimento artístico chinês por voltade 1990. Antes, podiam ser usadas moderadamente e o ópio semprefez parte da cultura do país, mas as drogas viraram o alimentoda classe artística, contestadora por natureza. "O melhor quepodia ter ocorrido comigo foi encontrar pessoas dispostas arepresentar o papel delas mesmas; pessoas sem medo de se exporna tela; isso é complicado numa sociedade ainda tão marcada pelarepressão como a chinesa". E ele acrescenta: "O capitalismonão nos livrou de estruturas opressivas; elas continuamexercendo sua força contra nós". Essa é uma história que só poderia ocorrer entre jovens,na China modernizada e que tenta copiar o Ocidente. Hong-sheng éusado como símbolo. "É a história dele, mas não é muitodiferente assim da história das demais pessoas da minha geração;cada um de nós pode se projetar na experiência dele, por maisque Hong-sheng tenha radicalizado o que alguns de nós tentávamoslevar de maneira mais leve". O rock, a cultura pop ocidental,as drogas, tudo isso entrou de repente na vida chinesa e com umimpacto muito forte, avalia o diretor. "O problema comHong-sheng é que a sua fragilidade mental o arrastou numturbilhão dificilmente controlável". Para Yang, era importante fazer um filme verdadeiro, comas pessoas nos próprios papéis - Hong-sheng, por exemplo. Masele nunca quis fazer um documentário. Demorei sete anos paracontar essa história; entrevistei muitas pessoas até definir alinha narrativa que está na tela. Ele acha que o fato de ahistória ser real, interpretada pelas pessoas que a viveram,aproximou mais Abandono do Sucesso das platéias chinesas. Ofilme foi um grande êxito na China. Teve 30 milhões deespectadores, mas Yang minimiza o número: Afinal, somos 1bilhão, aqui. Para Hong-sheng, ele só tem elogios: "Sua buscacontinua até hoje. É uma pessoa que não pára de fazer perguntasa si mesmo. Seu compromisso com a realidade chinesa e as pessoasda sua geração fazem dele um personagem maravilhoso".Serviço - Abandono do Sucesso (Quitting). Drama. Direção deZhang Yang. China/2001. Duração: 118 min. 12 anos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.